Greatest Women in Translation: Sarah Ardizzone

^3BD2FAACEAC897D21BE68030808476304DC722B6E37A1C22D8^pimgpsh_fullsize_distr

Image created by Erick Tonin

Welcome back to our Geatest Women in Translation interview series!

This month, I had the pleasure of interviewing Sarah Ardizzone (nominated by Sophie Lewis), French to English literary translator.

Sarah Ardizzone

Created with Canva

1. One of your translations worth noting here is the graphic novel Alpha, the story of a migrant desperately searching for his family (by Bessora, illustrated by Barroux). In this interview you gave to Authors Live, you say that in your career as a translator, this is the one book you were adamant had to be published, so you were very proactive in going to publishers to publish it. Why is that?

Because it tells the most pressing story of our times: that of human migration. Equally, a graphic diary penned by a fictional migrant, who embarks on a cruel odyssey from Ivory Coast to France, and aimed at everyone, from YA (young adult) readers to the grown-up literary market to Amnesty supporters, wasn’t the easiest sell: so I had to work hard to find the right publisher. Barrington Stoke proved just that publisher. They fell in love with Alpha when we ran a Spectacular Translation Machine event at the Edinburgh International Book Festival, 2015. Which brings me to your next question…

2. Another of your translations worth noting is another graphic novel, Line of Fire. The original book in French originated “a groundbreaking new translation event” called the Spectacular Translation Machine. What was the event about and how was you experience with it?

Together with co-curator Daniel Hahn, and with the support of the British Centre for Literary Translation, we created the Spectacular Translation Machine at the Southbank Centre for the London Literature Festival 2013. The idea was simple: invite the general public to translate an entire book, as a collaborative and creative endeavour, across a couple of weekends. What better way of re-discovering and celebrating what it is that we think we do when we translate? Around the room, as if at an art gallery, we hung the images from Line of Fire (a graphic diary created by Barroux, who discovered in a skip the real handwritten diary of an unknown First World War French soldier). The public was invited to choose a picture to translate, before receiving the text that accompanied it – together with expert help on hand should they need support or want to talk ideas through. One picture alone received 17 translations… Most of all, people took the time to sit and weigh words with each other, to talk about why they made the subtle and nuanced choices they did, to solicit each other on how they could express a voice more ‘authentically’ or push a turn of phrase further or produce something fresh while avoiding infelicities or anachronisms…

3. What are the challenges and what is so fascinating about translating graphic novels, in your opinion?

Translating graphic novels can be very liberating, because the text tends to be stripped right down to the essentials. It can also mark a shift from more verbose and sometimes ‘fanciful’ literary translation to what you might call ‘urgent quality translation’. There are all sorts of other issues that come into play too, because I’m obeying two masters (pictures as well as words) whose creators in the case of Alpha both have one-name monikers beginning with B! Alpha is a fictional character but it’s an Everyman story, and as a translator that puts the wind in my sail.

4. Your real translation journey began with the translation of Daniel Pennac’s The Rights of the Reader. Can you describe your experience to us?

Well, Daniel Pennac is a master storyteller and thinker – so that’s a challenge in itself, in terms of conveying his originality into the English language. The way he expresses his ideas is so unique and so characterfully voiced that it’s as if he’s pushing the French language beyond its limits – there should be an adjective for it: Pennacian. With The Rights of the Reader he goes to the heart of why we are naturally beguiled by stories, when we are first told them, and why the education system risks making us fall out of love with them as readers. Trying to communicate Pennac’s ideas in English led to some of the most memorable editorial sessions I’ve ever experienced at my publishers, Walker Books.

5. You co-founded Translators in Schools, “a professional development programme to widen the pool of translators and teachers with the skills to run creative translation workshops in schools.” Could you tell us briefly how it works, your current role in it and your experience so far?

I co-curate the programmes we run, in partnership with the Stephen Spender Trust. Recently, we held The Big Translate which was due to take place at the Southbank Centre but, due to recent tragic events in London, took place instead at Heathbrook Primary School – this was supported by King’s Cultural Institute. We are also running a Creative Translation in the Classroom programme, supported by the Rothschild Foundation; following a CPD day, four translators and teachers have now been paired to collaborate on piloting original approaches to translation in the classroom.

6. You are a judge and translation advisor of the In Other Words initiative, by BookTrust, “a new project to promote the translation and UK publication of outstanding children’s literature from around the world.” How are books shortlisted for the initiative, i.e. on what basis are they chosen to be translated?

We’re looking for exceptional children’s fiction for children aged 6 to 12 that has not yet been published in the English language. This year, we’re open to untranslated classics still within copyright as well as recent titles, and we welcome books written by authors of all backgrounds. The deadline for entries is 16th August – so please help spread the word. How do we choose which titles get shortlisted and have 10,000-word extracts translated? That’s the eye-opening bit, as well as the hard-graft. We work through 400 odd submissions, and consider which compelling stories, excellent writing and original, timeless or previously unheard voices stand out.

7. Now it is your turn. Who do you nominate to be our next interviewee?

I nominate Canan Marasligil, writer, translator, editor and curator extraordinaire. Canan brings her translator’s eye to everything she does, including the way she walks around new cities.

Advertisements

Guest post: Paixão pela tradução

Sejam bem-vindos de volta, queridos leitores!

A ordem das publicações foi trocada este mês. Não se preocupem! A série de entrevistas Greatest Women in Translation será publicada na próxima segunda-feira, dia 10. 😉

Hoje tenho a honra de receber uma pessoa querida que acabou se tornando uma grande amiga. Seguidora assídua do blog, tive o prazer de conhecê-la pessoalmente no ano passado. Além de ser uma pessoa incrível, de coração imenso, é também, como é de se esperar de pessoas incríveis, uma profissional competentíssima, apaixonada pela tradução.

Seja bem-vinda, Sil!

photo-1455849318743-b2233052fcff

Fonte: Unsplash

Sobre a alegria de estudar e trabalhar com o que se gosta

Bom, este não é um texto sobre especificidades da tradução, mas sobre a paixão que todos têm (ou passam a ter) quando se envolvem com essa área. Quando a Caroline me convidou para escrever, eu já era leitora assídua aqui do blog desde 2014. Foi quando a conheci na Semana do Tradutor da UNESP, uma das melhores edições do evento, em minha opinião! Por isso, eu fiquei um pouco insegura, porque não atuo como freelance há algum tempo e acabaria sendo mais emocional do que profissional. Mas, inspirada no post da Giulia Carletti, Translation lets you be everything you want to be, aceitei o convite, e este é um post sobre como a tradução me motiva e me faz feliz.

Quando terminei a graduação em Letras nos anos 90, não se ouvia falar sobre tradução na universidade, e eu também não sabia que gostava da área e nem que podia estudá-la. Como eu não me encaixava nas linhas de pesquisa oferecidas no mestrado, decidi me dedicar às aulas como professora de inglês. Mas, lembro-me de várias situações em que eu tentava convencer algum aluno de que aquela frase do resumo ficaria muito literal no abstract e perderia o sentido se fosse traduzida como ele queria ou ainda que a letra daquela música não teria sentido se não invertêssemos a estrutura da frase. Era difícil convencer os alunos, mas eu amava estar ali, tentando explicar tudo isso.

Alguns anos depois, mudei-me para Florianópolis e decidi voltar a estudar. Fui pra UFSC. Procurando alguma linha de pesquisa que me motivasse, soube que iria abrir um programa de pós-graduação em estudos da tradução – a PGET. Lembro como se fosse hoje quando eu falei: “Tradução! É isso!” Era o que eu queria fazer. Eu já trabalhava como freelance para uma agência e estudar o que eu tinha como profissão era tudo o que eu queria! Amei cada minuto na PGET porque a tradução me completava e encantava e me fascinava cada dia mais.

Hoje sou professora em um curso de licenciatura em letras e meu objetivo maior tem sido compartilhar com os alunos o que é traduzir e ser tradutor. Digo isso porque muitos deles, apesar de o curso ter como foco a formação docente, acabam atuando como tradutores (e até intérpretes) sem ter conhecimento da profissão. Já outros dizem que a tradução não agrega nada à carreira docente. No entanto, a tradução está presente em muitos momentos em sala de aula: muitos tradutores também são professores, e uma profissão não exclui a outra.

Mas sou insistente. Compartilho questões da prática, mercado, blogs, sites, exercícios, teorias, enfim, questões que eu sei que farão a diferença em algum momento da vida deles. Para os que são flexíveis a ponto de encarar o desafio de estudar e praticar tradução, os resultados têm sido bastante positivos: alguns TCCs já defendidos, um encontro anual sobre tradução, promovo palestras com tradutores nas aulas, um grupo de pesquisa, pequenos projetos de tradução em sala… E tudo o que eu espero são alunos mais conscientes sobre o papel e a singularidade do ato de traduzir. Tudo isso me traz uma única certeza: a tradução foi e é a melhor escolha que eu poderia ter feito pra mim. E assim se faz o caminho, ao andar, como diria o poeta Antônio Machado: sigo como tradutora voluntária, professora e admiradora dos amigos e colegas que fazem da tradução um caminho real e possível.

Sobre a autora
silSilvana Ayub é graduada em letras, artes plásticas e comércio exterior. Tem pós-graduação em estudos da tradução pela PGET–UFSC. Já foi freelance, hoje é voluntária. Queria ser comissária, mas, por ser baixinha, não conseguiu. Queria ser arquiteta, mas a matemática sumiu. É 50% curitibana e 50% florianopolitana, professora de inglês e tradução em Curitiba. Gosta de culinária e aprecia um bom café e uma boa conversa. Desistiu do Facebook e não se arrepende, mas responde a e-mails com relativa rapidez. Pode escrever, se quiser: sil-in-sc@uol.com.br

Tradução como ferramenta de ensino

Sejam bem-vindos de volta, queridos leitores!

Hoje temos mais uma tradução parte da parceria do blog com a UTFPR. Esta é a segunda tradução da aluna deste mês, a Débora França de Oliveira. E a tradução de hoje é da publicação da convidada Tammy Bjelland, Translation as a teaching tool.

photo-1444427169197-de497742b62d

Fonte da imagem: Unsplash

A tradução é um assunto que pode ser controverso quando se trata do ensino de línguas, mas como professora de idiomas, alguns dos melhores e inesquecíveis momentos pedagógicos vieram com o uso da tradução no ensino.

O uso da tradução em sala de aula com turmas de nível básico a intermediário é contraprodutivo, pois faz com que os alunos acreditem que toda língua tem uma palavra ou ideia equivalente em sua língua de destino, o que todo tradutor (e professor de idiomas!) sabe que está longe de ser verdade. Porém, pode ser difícil evitar completamente a tradução com alunos de níveis iniciais, especialmente quando se trata de adultos, visto que já são capazes de se expressar empregando um vocabulário mais sofisticado. Demonstrar os problemas que uma tradução mais “literal” pode causar pode ser uma boa ferramenta de ensino em níveis básicos e intermediários, para indicar não apenas a complexidade das L1 e L2, mas também a importância de entender o contexto e a cultura, juntamente à gramática e ao léxico das duas línguas.

Os benefícios pedagógicos da tradução são ainda mais significativos em níveis avançados, como ferramenta para explorar as complexibilidades da língua e da cultura de textos que variam em tipo, perspectiva e propósito. Muitas das minhas memórias como professora universitária vêm do ensino da tradução em turmas nos EUA e na Espanha. Após alcançar certo nível de proficiência dos alunos, aulas dedicadas à tradução podem mostrar não só o processo de tradução em si, mas também orienta os alunos a se aprofundar mais no significado das palavras e ideias, além da diversidade de interpretação em vários níveis e estágios de compreensão e tradução.

Um tipo de texto que funcionou muito bem para demonstrar a diversidade de interpretação foram pequenos textos literários. Poemas e contos foram ideais, principalmente quando tínhamos acesso a uma série de traduções diferentes para o mesmo texto. Ao estudar várias traduções profissionais de um mesmo texto, os alunos podem apontar quais ideias foram interpretadas de maneiras diferentes e trabalhar de trás para frente para encontrar uma melhor forma de entendimento do contexto e do significado do texto em si. Esse exercício em si já confirma que a simples pergunta “O que esta palavra significa na língua _____?” pode ser bastante problemática e não deve ser o foco de nenhuma aula de língua. Pensar na comparação direta entre duas línguas nos leva a uma simplificação excessiva e a pular lacunas de significado, dois erros comuns que podem ser suavizados utilizando cuidadosamente a tradução como abordagem pedagógica.

Além do valioso aprendizado sobre a diversidade de interpretações e complexidade das línguas, a tradução como ferramenta pedagógica confere aos alunos as habilidades necessárias para traduzir efetivamente. Quando atividades como a que citei são utilizadas em sala de aula, normalmente, é a primeira vez que os alunos veem e analisam, lado a lado, textos traduzidos profissionalmente comparados com o texto fonte. Essa é uma oportunidade única para o professor apresentar o profissional por trás da tradução e discutir os requisitos e desafios que fazem parte da área da tradução.

Portanto, enquanto alguns professores de língua ainda temem o uso da tradução em suas aulas, na minha experiência, há vários benefícios ao incorporar a tradução em turmas de adultos de nível avançado. Uma atividade bem planejada utilizando a tradução pode aprofundar a compreensão das línguas, promovendo a valorização de opiniões e interpretações diferentes, além de educar os alunos sobre a profissão de tradutor.

Sobre a tradutora
Foto_DeboraDébora França de Oliveira
é estudante de Letras – Português e Inglês na Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Apaixonada pela língua inglesa. Tem grande interesse na área da tradução.

Traduzir jogos? Muito Fácil!

Sejam bem-vindos de volta, queridos leitores!

Hoje temos mais uma tradução parte da parceria do blog com a UTFPR. Esta é a primeira tradução da aluna deste mês, a Débora França de Oliveira. E a tradução de hoje é da publicação da convidada Paula Ianelli, Translating Games? That must be piece of cake!

Online-Games

Ei, ei! Calma aí!

A localização de jogos parece bastante atraente se você gosta de jogar, mas tem tantos desafios quanto traduzir um texto para qualquer outra área – afinal, é tradução! Isso fica claro nas equipes que localizam jogos para diferentes línguas: a esmagadora maioria é de linguistas altamente qualificados, profissionais experientes que trabalham em tempo integral com tradução e/ou têm formação acadêmica na área.

“Mas o que pode ser tão desafiador nisso?” Pra começo de conversa, todo processo de localização de jogos abrange várias etapas que podem ou não envolver diretamente a equipe de localizadores, mas que, com certeza, impactam nosso desempenho. Ao contrário do que se pensa, um jogo é localizado enquanto é produzido e não após seu término, ou seja, tudo é interligado. Além disso, não é um trabalho que envolve somente o localizador e o cliente final. É algo que envolve centenas de pessoas, desde o criador do jogo até roteiristas, produtores, designers, engenheiros, produtores de trilha sonora, equipes de marketing, atores, gerentes de projeto, tradutores, revisores, testadores e o último integrante da equipe de impressão que produz a capa do jogo uma semana antes de ele ser lançado. Isso tudo pode parecer um tanto exagerado, mas essa rede complexa exerce um impacto direto em como nós trabalhamos e no que o público-alvo verá ao final desse trabalho.

As etapas da localização de um jogo rendem um tópico à parte. Aqui vamos falar dos desafios mais comuns enfrentados por localizadores de jogos. O primeiro deles é o favorito do tradutor:

 Contexto (ou deveríamos dizer a falta dele?)

O contexto pode ser algo bem complicado na localização de um jogo. Ao contrário do que se pensa, os tradutores não traduzem o jogo enquanto jogam. Geralmente, não há contextualização visual durante o processo de tradução. Isso significa que trabalhamos com textos, assim como a maioria dos tradutores, mas a dificuldade vem agora: às vezes, nossos textos não são nada lineares.

Isso pode acontecer por uma série de fatores. Por questões confidenciais, alguns clientes misturam frases de diferentes lotes ou textos para evitar o vazamento de alguma cena. Pode haver, também, atualizações com palavras aleatórias que o tradutor deve adivinhar – ou se perguntar – qual é o contexto. Outra prática frequente é a de lotes não lineares: pode ser que façamos a tradução do último estágio do jogo logo no início do projeto, quando ainda não sabemos exatamente do que se trata.

Em The Last of Us, por exemplo, Joel e Ellie estão conversando com Tess. Ela sai da cena e o diálogo que segue é:

Ellie: “When is she coming back?”
Joel: “Later.”

Bem direto, certo? A tradução, no entanto, é um tanto enigmática:

Ellie: “Quando ela vai voltar?”
Joel: “Até mais.”

Sabemos que isso é simplesmente uma questão de contexto. “Later” pode ser uma expressão de despedida, sendo assim traduzido como ”Até mais”. Assim, podemos supor educadamente que o tradutor recebeu essa linha sem contexto, não é? Isso nos leva a outra questão recorrente:

Os jogadores dependem da sua tradução

Partindo do princípio de que jogos não são baseados apenas em histórias, mas também em ações e instruções, a maneira como o jogo é traduzido afeta diretamente a performance do jogador. Digamos que um personagem precisa encontrar um item que garantirá a ele seguir na direção certa, e as instruções são:

“Find a compass and return to the island.”

Vocês sabem aonde isso vai chegar, certo? Se a tradução falar para encontrar um compasso, os jogadores irão em uma busca interminável a um objeto diferente. E eles ficariam muito bravos! Essa é uma das razões pela qual um localizador de jogos deve ser bem cuidadoso: além de criar um texto que corresponda ao original, tenha um bom ritmo, seja curto o suficiente para caber na tela, tenha gramática e ortografia perfeitas, seja atraente etc., nós ainda temos que fazer com que as instruções sejam claras e que a história seja corente ao longo do jogo.

E são muitos jogadores

Como plataformas móveis e mídias sociais crescem em países desenvolvidos e em desenvolvimento, o número de jogadores aumenta a cada dia – e o Brasil é um grande mercado.

Por um lado, a demanda por localizadores de jogos está em sua maior alta. Por outro, muitos jogadores cresceram acostumados a jogar sem legenda – e provavelmente já entendem inglês – e vigiam nossos passos de perto.

Não me interpretem mal, eles são boas pessoas. Mas nem sempre gostam de mudanças, sabe? E cresceram acostumados a escolher a opção multiplayer, não a versão multijogador.

Podemos discutir se devemos ou não traduzir esse tipo de termo em outro momento. A questão é que localizadores de jogos estão sempre convivendo com o desafio de encontrar traduções convincentes para cada terminologia específica mantida em inglês há mais de 20 anos. Requer tempo e esforço encontrar boas soluções e fazer com que as pessoas se acostumem a elas.

Certo. Isso é tudo?

Não necessariamente. Discutimos aqui apenas três dos principais desafios encontrados pelos tradutores de localização de jogos, mas existem outros desafios menores que merecem atenção:

  • Ao traduzir um jogo, normalmente trabalhamos em equipes de tradutores e revisores, o que dificulta a padronização de termos e estilos.
  • Precisamos ser bastante experientes com computadores para trabalhar com diferentes ferramentas CAT, tanto on-line quanto off-line. E, geralmente, ainda temos aquelas tags amadas, portanto, cuidado nunca é demais.
  • Os prazos normalmente são bem apertados, porque depois da tradução ainda há a revisão, garantia de qualidade, testes, lengendagem etc., e todos querem ter certeza de que o jogo já tenha legendas na data de lançamento.

Espera-se ainda que sejamos versáteis: eu posso traduzir um jogo repleto de gírias e palavrões na segunda-feira, na terça-feira, um enigma para crianças de 5-9 anos e uma história medieval épica na quarta-feira – fica evidente que esse é um dos maiores prazeres de se trabalhar nessa área!

Pra terminar, a localização de jogos é uma área maravilhosa se você é tradutor profissional e adora jogos e desafios. Mas, pense duas vezes antes de traduzir seus jogos favoritos: spoilers, spoilers em todo lugar!

Sobre a tradutora
Foto_DeboraDébora França de Oliveira é estudante de Letras – Português e Inglês na Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Apaixonada pela língua inglesa. Tem grande interesse na área da tradução.

ConVTI (Virtual Interpreting and Translation Conference)

 

logo_extensa4_medium

Márcia Nabrzecki and I, Gio Lester, have a lot in common. Besides being Brazilian and translators, we are also advocates, instructors, and mentors. Last year, a common friend brought us together and the result is a 2-day event that we believe will delight those who attend it.

I better tell you a bit about ourselves. My career in Translation and Interpreting started in 1980. Yes, I am a legacy professional and have witnessed and adapted to many changes over the years. I have also been an advocate for our professions: President of two Florida Chapters for the American Translators Association-ATA (2001-2003; 2011-2012; 2015), Director and also Interim Vice Chair for the National Board of Certification for Medical Interpreters (2010-2013), mentor for members of ATA and also of its Brazilian counterpart, ABRATES, and currently I am also the Editor of The NAJIT Observer, a weekly online publication by the National Association of Judiciary Translators and Interpreters. Márcia started her career in 1995. Love for her profession led Marcia to engage in activities beyond translation projects. She is busy mentoring other professionals for Coletivo Identidade, a program that evolved from T&I events in Curitiba and spread to other cities in Brazil; she leads workshops and organizes events such as the monthly barcamps that also started in lovely Curitiba. Márcia manages to find time to lead Pro-Page, Traduções e Projetos, her own company. You can read more about us here.

So, after a few conversations and planning, we decided to throw a party at your place. Well, actually, a conference. Why, you may ask. Well, how many conferences have you missed this year? How many more are on your wish list? The truth is, regardless of origin, language and customs, we all share the desire to learn, grow and save. ConVTI ([//kon-vee-tee-eye//], in Portuguese, Congresso Virtual de Tradução e Interpretaçãomakes all three available to all of us.

Márcia and I feel the same way: earning continuing education credits, networking with colleagues, improving the quality of our services, etc. should not be a hardship. And we have a solution that makes use of modern technology to solve that issue – after all, this is the 21st Century!

Our professions have experienced exponential changes at different levels. Technology’s effects have been both negative and positive: clients expect a lot more from us in a shorter period of time but we have tools that help us work smarter; new market segments are open to us but the learning curve can be discouraging; there are incredible new tools out there but either cost, availability, compatibility, or something else are obstacles.

However, technology has reached a point that allows for presenters from all over the world to congregate on your laptop. And we have arranged just that for you: a great professional event with international talent, respected colleagues, best representatives in their specializations. ConVTI will fill in the gap between events, allow professionals to meet their certification requirements and learn from leaders in various segments. And the latest: HeadVox will be providing simultaneous interpreting for the live sessions.

We have put together a collection of top-notch T&I professionals to delight you. No divas. We wanted an even constellation of professionals who understand the changes in the market and what they mean to us.

Wherever you are, we promise you two event-filled days. On August 26, we will have four 1-hour presentations followed by a 90-minute panel on MT and interpreting technology. The day’s closing event is a live roundtable with all presenters. On August 27, we will have six 1-hour presentations and the closing is another live roundtable with all presenters. ConVTI will cover subjects ranging from the practical side of translation to the technical aspects of it, interpreting technology and changes in judicial interpreting, the business side of our profession, and we are working on bringing sign language interpreting into the offerings. Since Márcia and I do believe in equal opportunity learning, we have plans to have the presentations subtitled in English, Portuguese and Spanish.

And your wallet will be happy too: No airfare cost. No hotel cost. No meals cost – well, that will depend on you. Just take your mobile device to wherever you feel more comfortable and join us. A flat fee of $75 gives you access to the 2-day event. The presentations will be available for sale after the event.

Are your ready for a visit? Have your computers, laptops, cell phones or tablets at the ready. We are coming your way: August 26 and 27.

Visit our website for more detailed information. Also, like our Facebook page, follow the event on Twitter, and subscribe to our YouTube channel to stay updated. Should you have any doubts, send us an email to info@convti.com.

If you missed the webinar The Business of Being in Business – Part I: The Professional Side (free webinar to give you a taste of ConVTI), just click here to watch the video. And get ready for the second installment: The Business of Being in Business – Part II: The Commercial Side coming to you on June 24, at 8 am EST – check your local time on Time Buddy. Registration is now open, just click here.

Márcia has talked about the event (in Portuguese) for the TradTalk podcast. You can watch or listen to it here.

About the author
GioBrazilian-born Giovanna “Gio” Lester‘s career in translation and interpreting started in 1980. Gio is very active in her profession and in the associations she is affiliated with. She has held many volunteer administrative positions within various organizations related to our profession, and often speaks and writes on issues that affect us. As an international conference interpreter, Gio has been the voice of government heads and officials, scientists, researchers, doctors, hairdressers, teachers, engineers, investors and more. Gio has been a contributor to The NAJIT Observer since its inception in 2011, and its Editor since 2016. She can be reached at gio@giolester.com.

Guest post: Translator digital nomad

Last April, during the IAPTI Conference in Buenos Aires, Argentina, I had the pleasure of meeting Rea Gutzwiller, already a connection on Twitter, in person, and spending some fun time together. And now I have the pleasure of welcoming her on the blog.

Welcome, Rea!

Snowbuddha in Harbin, China

Image provided by the author.

Taking off from your desk

We’re freelancers, right? So have you ever considered leaving you everyday view behind and take off to a new place every so often? You think this is crazy? Unfeasible even?

I’m with you. Before you’ll be able to fully enjoy your nomadic lifestyle, you’ll need to get a few basics in place. In this article I’ll be sharing the most important secrets I wish I had known before I started, so you can start fully prepared.

I admit, I’ve always been a bit of a free spirit, but at first – even after becoming a freelancer – it did not occur to me, that one could freelance and travel. Just about when I had fallen into a routine and started to get itchy feet, I stumbled across a few digital nomad blogs and thought: Wow, great, I want to go to those places too! And after I took off for China, to improve my Chinese, I didn’t stop.

What is probably most important of all is that you make up your mind. I can understand that on a cloudy, foggy winter’s day you’d rather be at a beach in Southeast Asia, but that doesn’t account for the real thing. Mind you: You will leave your house, your neighbourhood, your friends, your family, your pets, your hairdresser, the shopkeeper at the corner store and other people you have some sort of relationship with. They and mostly you will change. You will meet new people; you will live exciting experiences and scary or downright horrible things too. To give an example, I experienced one of the strongest typhoons hitting Xiamen in 50 years. There was no more water, electricity or any other supply where I lived for two weeks. These things don’t happen where I come from and if you don’t speak the language too well, horrible things can become even scarier pretty quicky. But if you’re prepared, things are mastered more easily. Ask yourself: Do I really want to become a nomad? Or do I want to live amazing things, but 80 or 90% of the time, I am quite happy where I am? You see, if you become a nomad, this isn’t just your regular holiday enhanced. This is a new lifestyle, where tomorrow is often unknown. Do you love routines? Are you okay with last minute changes?

If you think it’s scary, you can gradually start it. Try it out! A couple of months somewhere across the globe will help you decide whether you want to continue or you’re happy to go back home, wherever that is. But once you’ve tried it, you’ll realise that being on the road is not more costly and often even less expensive than renting your permanent place and going on holidays.

Secondly, remember, you can’t bring along too many things. Usually a suitcase and a daypack is the maximum. So you’ll need a base where you can leave your stuff for a while and where your snail mail will get picked up by somebody you trust and scanned for you to deal with. Also, you’ll want to go as digital as possible. I get often asked “but what about your books?” – well, frankly, I don’t have all that many books. I use digital books on a Kindle, PDFs, and dictionaries as software…

Going digital involves a performing laptop, phone and external hard drive. Once you’re fully location-independent, you’ll want to be able to do a lot on your phone. I’ve put together a list of the basics that you’ll find helpful for a fully digital office as a small giveaway from me.

The other thing I can’t stress enough is communication with your clients. Let them know about your plans, use newsletters as a means of keeping in touch with them and always let them know ahead of time when you’ll not be available. There’s Wi-Fi at most airports, Lufthansa even offers it high above the Atlantic and German ICE trains do too. But it might not be available. Think ahead, work ahead, plan ahead.

I think one of the things I actually enjoy the most when working in a different time zone is the quiet hours when the majority of my Europe-based clients have either left for the day or are not yet in the office. That way you get a few peaceful hours of work all while they will have that last minute evening job sit in their inbox the next morning. Tell them about this advantage, they might not have realised before! Set an automatic response when you’re asleep. It will spare you from waking up to 10 missed calls and 20 e-mails from the same person as to why you’re not replying. If you’re worried they’ll turn to other providers, remember, clients are humans. They want top service. They will not run away if you’re still delivering. Be confident!

At the beginning, I’d recommend you keep your actual travelling limited. Stay at a place for a bit longer, so you get to adapt to the new lifestyle and enjoy the experience. Plan enough time. If you’re on a workation, you’ll need to put in a few desk hours every day, which limits your visiting time. Hence, you need more time to enjoy the location. For all of us stable internet is important. Mind you, often these are not the most expensive, luxury places, but quite the opposite; think backpacker hostels and small pensions. For example, quite a few five star hotels still charge for internet, while I haven’t paid for Wi-Fi in a hostel in years. Many hostels nowadays offer private rooms, so if you don’t fancy sharing with 8 snoring party-goers, that’s totally okay! Never underestimate how important sleep is, which leads me to the next point:

Apart from work and play there are three things you should not leave aside on the road: eating healthily, regular exercise and good sleep.

If you follow these few tips, you’ll be able to enjoy your time on the road and work efficiently all while discovering exotic or historically interesting places!

About the author
ProfileRea Gutzwiller translates marketing and technical texts from French, English, Spanish and Italian into German. She has grown up in Switzerland and after graduating at the ETI in Geneva and a couple of years in-house started to travel the world as a nomad translator. She has visited over 20 countries in the last 6 years, which has grown her horizon in many ways and enhanced her world view greatly. Her first article on a nomad lifestyle in a series of four has recently been featured in the first edition of connections. You can follow her on Twitter and Facebook.

Greatest Women in Translation: Sophie Lewis

^3BD2FAACEAC897D21BE68030808476304DC722B6E37A1C22D8^pimgpsh_fullsize_distr

Created by Érick Tonin

Welcome back to our Greatest Women in Translation interview series!

Please welcome this month’s interviewee, Sophie Lewis (nominated by Alison Entrekin).

Sophie Lewis

Credits at the end of the interview.

1. Besides translating, you used to be senior editor at And Other Stories. What exactly do you do now?

I still edit but as a freelancer. I edit fiction for And Other Stories but also for other publishers, including Peirene Press and Tilted Axis Press. This sits more easily alongside my freelance translating: I try only to take on one major job, whether translation or edit, at a time, and run the smaller jobs of whatever kind alongside. In addition, though, since 2016 I have been running workshops on translation in secondary schools, under the title Shadow Heroes.

2. As editor of And Other Stories, you wrote this article about the Year of Publishing Women 2018. This has everything to do with our series, so why don’t you tell us a bit more about this amazing initiative?

What I didn’t manage to include in the article was an argument for why it’s even more important for a publisher working mainly with translations to publish women: if British publishing is male-dominated, what filters through via translation is so masculine it’s breathtaking. So the opportunity to get the word out around the world that we’re interested in something else, in women’s writing particularly, and then in digging into the systems and nets around women that allow them to write, be published and be translated – or not, was something particularly pertinent to And Other Stories. And with some very exciting books already scheduled for 2018 the provocation is already working its magic.

3. You mainly translate from French into English, and one of your numerous translations was Violette Leduc’s Thérèse and Isabelle, that, in your own words, is “groundbreaking women’s writing”, giving voice to “a schoolgirl in a convent school […] systematically repressed from a young age.” Being aware of the many difficulties women face and of the sex issues the world is facing, how was this experience of translating such an amazing woman writer and such a delicate story?

This was a very tough job. The prose was frequently both precise and purple, anatomical, highly detailed and also emotional and sensual. I had to find words for parts that are never comfortably named in English – the usual problem is the lack of middle ground between offensive slang and medical terminology. So I reluctantly employed some euphemism, while making sure I was as precise as I could be everywhere else. And I tried to keep hearing that teenage girl’s voice. Thérèse is precocious but also sheltered. She herself is finding new ways to express her experience and she does that awkwardly, sometimes, but always with genuine feeling. Following and recreating her experience was nearly as painful and exhilarating as it must have been for Leduc to get it down on paper.

4. Besides Leduc, you have also translated several other French writers, such as Stendhal, Jules Verne, Charles Cros, Marcel Aymé, Emilie de Turckheim, Emmanuelle Pagano. Have you already ventured into translating Brazilian Portuguese literature? If so, what have you translated so far? If not, why not?

I have translated short fiction by João Gilberto Noll and also a fair bit of non-fiction and paratextual stuff – for literary festivals and the like. I need to build up my contacts in publishing, so they know to trust me for this work as well as French books. I also need to read more Brazilian fiction, so that I can better trust my own sense of taste and how the literary landscape lies in Brazil. Lastly, I need to convince the Brazilian authorities to reinstate the translation funding so confidently announced only a few years ago. That would really help publishers make the leap to commission translations of Brazilian works.

5. What, in your opinion, are the main differences between translating from French and Brazilian Portuguese into English?

I find Brazilian Portuguese often more fluid, not being required to be quite as specific as either French or English. But really, the differences between each book and each writer’s style are much greater than the differences between the languages overall.

6. How did your story with Brazil and Brazilian Portuguese begin?

I originally began to study European Portuguese in evening classes. I had some ideas about what my next language should be and so chose Portuguese for somewhat academic purposes. I was the only person in my class to be neither related to lusophones nor in love with a lusophone. It was hard! Then my husband landed a job teaching in Rio, so we switched our Portuguese classes to Brazilian. It only really came together when we reached Rio. We lived there for four and a half years; our son Xul was born there in 2014.

7. Now it is your turn to nominate our next interviewee. Who inspires you the most?

I admire Sarah Ardizzone very much for following an inclination to specialise in working with younger writers and translating a youthful, ‘street’ world that requires immense sensitivity to slang and to street-level politics. As I see it, the work she translates presents at least as challenging difficulties as any other texts could do, but Sarah tackles them both more systematically and more passionately than any other translator I’ve encountered.

* Image created with Canva.
Credit of Sophie Lewis’ picture (provided by the interviewee herself): photographer Anna Michell.
Source of the quote on the image: Sophie Lewis and her authors.

A tradução te permite ser o que você quiser

Sejam bem-vindos de volta, queridos leitores!

Hoje temos mais uma tradução parte da parceria do blog com a UTFPR. Esta é a segunda tradução da aluna deste mês, a Cristiane Slugovieski. E a tradução de hoje é da publicação da convidada Giulia Carletti, Translation lets you be everything you want to be.

Quando eu tinha cinco anos, queria ser bailarina, apesar de nunca ter tido uma aula de dança. Alguns anos depois, fiquei obcecada com o seriado E.R. e decidi que queria ser cirurgiã: eu tinha certeza de que poderia realizar cirurgias incríveis e salvar a vida das pessoas. E daí que eu era (e ainda sou) desajeitada e sem nenhuma habilidade? Então, decidi ser jornalista, porém, minha fascinação por anatomia e medicina eram maiores. Mas, nessa idade, eu gostava tanto de escrever! Gostava de inventar histórias e criar slogans e ideias criativas, a ponto de um texto publicitário meu, para uma marca de salgadinhos, ter sido enviado para a fábrica para ser avaliado. (A parte de mim que ama nutrição não gostaria que alguém de 9 anos escrevesse sobre salgadinhos, mas essa é uma outra história.)

Como toda criança, eu era super curiosa e queria saber sobre tudo. Mas a questão do que eu queria ser quando crescesse mudaria para algo impensado: minha fascinação por línguas. Inglês sempre foi minha matéria favorita, e eu passava tardes inteiras tentando traduzir letras de música e artigos. E quanto mais difíceis e coloquiais eram as expressões, mais eu gostava do processo de pesquisa e do desafio de expressá-las em italiano. Anos depois, percebi que trabalhar como tradutora e intérprete tinha me ajudado a alcançar (quase) todos os meus sonhos de infância.

Ao traduzir, você vive uma aventura nova a cada dia. Você utiliza um lado mais analítico que ajuda a ler o texto e pontuar possíveis problemas, fazendo com que diga “sabia que era um problema!” E você ativa esse lado novamente ao revisar.

Dependendo do assunto, você explora diferentes lados de sua personalidade, porque, como dizia Pirandello, somos “um, nenhum e cem mil”. Quando recebo orientações (breves ou detalhadas) para um projeto, mal posso esperar para deixar as palavras e ideias fluírem. Esse é o meu lado brincalhão, aquele que faz malabarismos com as palavras, fazendo com que se encaixem para o propósito e para a voz do cliente. Mas também fico igualmente feliz quando estou me preparando para um congresso médico e tenho que estudar anatomia de novo, deixando meu lado “científico” entrar em ação.

Isto vale para todos: temos diferentes habilidades que nos permitem expressar interesses diferentes e diversos lados de nossa personalidade. Como tradutores e intérpretes, nos interessamos por diversos assuntos e queremos ir a fundo – esse é um dos requisitos desse trabalho. Não temos medo de estudar e pesquisar dia após dia, de aprender algo novo e de manter os olhos sempre abertos. Podemos (quase) nos tornar cirurgiões, advogados, comerciantes, engenheiros, cozinheiros… Você escolhe! Apesar de a tradução ser um negócio muito sério, somos livres para nos divertir enquanto traduzimos e deveríamos aproveitar ao máximo as oportunidades, permitindo que todas as faces da nossa personalidade brilhem por meio do nosso trabalho.

Graças a essa profissão pude trabalhar de jaleco exatamente como o Dr. Corday em E.R. Que outro trabalho permite que você use um jaleco sem sequer saber cortar em linha reta com uma tesoura? Quanto a ser bailarina, ainda estou trabalhando nisso!

Você acha que suas áreas de especialização expressam diferentes pontos de sua personalidade? Você pôde realizar alguns de seus sonhos graças ao seu trabalho? Conte-nos nos comentários!

Sobre a tradutora
Imagem1Cristiane Slugovieski estuda Licenciatura em Letras Português/ Inglês na UTFPR, onde também faz parte do TradLin, grupo de pesquisa e Estudos em Tradução. Reside em Curitiba-PR e pode ser encontrada no Facebook.

How to successfully network at a translation conference

matthew-henry-86779

Courtesy of Unsplash, by Matthew Henry

Those who know me well are quite aware of the fact that I am a conference rat. I love conferences and, most of the time, they are an “excuse” for traveling somewhere and visiting some place new. So much so that whenever I travel my mom asks if I am going to attend any conferences. Well, sometimes I do travel to visit friends, you know?

After attending so many conferences, you end up naturally mastering this networking thing. However, I know how difficult it can be the first or second time we attend one. We feel lost, most of the times we do not know absolutely anybody, we are shy, and we want to dig a hole on the ground to hide and simply disappear from this frightening place. See? It is normal, it happens with anybody. I never feel comfortable whenever I go to a new place either, like a new gym, for example. But I will not stop exercising just because of that, am I? Well, I know this may be more than an excuse for some people though…

Keeping this conference newbie tiny issue in mind and the fact that the Abrates Conference is just around the corner, I decided to share with you some tips for successfully networking at conferences without simply throwing yourself at the people either.

  • First of all, having and carrying your business cards with you at all times is a must. And this is valid for any occasions. Have a bunch of business cards in your wallet, purse, gym bag, car. Whenever someone asks for your email or phone number, just handle them your card and make a good impression with your professionalism. 😉
  • However, do NOT just randomly start giving your cards away to simply anybody with no reason whatsoever. Wait for the right time. Timing is everything when you want to make a good impression.
  • In order to find the right time, first, you need to be open. When we feel shy, we tend to bury our heads in our notepads, mobiles, or even in the coffee break food. (Who never?) Look up, not down, and keep a smile on your face at all times. Do not be afraid of saying hi to people even when you do not know them, especially those who are sitting right next to you during the numerous talks. This openness is key to finding the right time to “strike,” besides making it easier for people to approach you.
  • Approaching other attendees is not necessarily the worse thing ever. Small talk is there to rescue us! Comment about the icing cold air conditioning, the horrible Wi-Fi connection, the nice venue, the amazing lunch you just had, that coffee you terribly need, you name it, with the person who is sitting next to you. After breaking the ice, show interest and ask the person their name, what they do, where they are from, etc. And take the chance to ask for the person’s business card, so you can keep in touch. Naturally, they will also ask for yours. There you go. It does not hurt, does it? And you cause a way better impression when you show you are interested in knowing about the person than if you make it about yourself from the beginning. This approach can also be used during coffee breaks: comment about the amazing food, the interesting talk you just attended, how sleepy and in need of coffee you are… And repeat the same next steps: show interest to know who the person is and ask for their card.
  • Another way of approaching other attendees is when you “know” them somehow: you always see them commenting/posting on Facebook groups, you like their blog/what they do, you are Facebook “friends,” you name it. These are great ice-breakers.
  • Do not leave a conference without talking to presenters you like or whose presentations you enjoyed! There is no better ice-breaker than approaching the person to say you watched their presentation and loved it. Ask for their card so you can follow them on social media, and there you go. Or, if given the chance, you can even approach them before their talk (even if you are not really planning on attending it), saying you saw they are presenting, you are interested at the topic but unfortunately will not be able to attend it, so maybe they could give you their card so you can keep in touch? 😉

In a nutshell, the key is to be friendly and open at all times, and take every chance to start a small talk and take it to the next level by showing interest at the person. Only make it about you if the person opens the floor for you to do so.

If you engage with as little as one person per period (morning and afternoon), you end up with four contacts to follow up at a two-day conference. If you adequately follow up with them after the conference, these four people may introduce you to other people throughout the year and at the next conference as well. It is a vicious circle that only gets bigger with time, and one that works for itself, with no need to make such a great efforts anymore.

Now, last but not least, it is also important to know how to properly follow up.

  • Write an individual and personalized email to people you really liked meeting showing your appreciation.
  • Do NOT simply add people on social media without sending them a private message reminding them exactly where and how you met, or where you know them from. Actually, this should be always applied, like a best networking practice. It is hard to remember every single person we meet at conferences, and anywhere for that matter.
  • Now, I know this is hard to ask nowadays, but I actually prefer to follow their blog, like their Facebook page, follow them on Twitter, etc., instead of adding them as friends on Facebook or LinkedIn, especially those I did not really have a chance to connect that much.

Those who are at the the ITI and NAJIT conferences can already start applying these tips. If you do, let us know if it worked. And for those who are attending the Abrates Conference next week, like myself, you can start practicing in the shower. 😉

Traduzindo por uma causa

Sejam bem-vindos de volta, queridos leitores!

Hoje temos mais uma tradução parte da parceria do blog com a UTFPR. A aluna tradutora deste mês é a Cristiane Slugovieski. E a tradução de hoje é da publicação da convidada Elis Portela, Translating for a cause.

picjumbo.com_IMG_3750

Fonte: Picjumbo, por Viktör Hanacek

Ser um bom tradutor é um trabalho árduo, mas é também um grande privilégio. Exige muito estudo, leitura, escrita, prática e aprendizado com os erros e com a experiência. Mas no fim, todo esse trabalho nos dá acesso a uma quantidade enorme de informações, além de uma base que nos permite conhecer mais sobre outras culturas. Somos leitores, pesquisadores e nos comunicamos incansavelmente, e sempre trabalhamos para entender o ponto de vista das outras pessoas, da melhor maneira possível, para compartilhá-lo com diferentes públicos. Mas depois de um tempo trabalhando diariamente com tradução, às vezes, não valorizamos esse acesso à informação e acabamos restringindo demais nossas habilidades quando, na verdade, poderiam ser utilizadas para conscientizar e ensinar as pessoas sobre assuntos importantes. Se prestarmos bastante atenção, podemos identificar muitas causas que valem a pena ser difundidas, mas que permanecem restritas a pequenas comunidades ou grupos devido a barreiras linguísticas. Sabemos que tanto a língua quanto as informações são ferramentas que podem ser utilizadas para dividir e privar pessoas ou, inversamente, uni-las ao redor de uma causa ou crença em comum.

Além de trabalhos remunerados, os tradutores podem escolher quais informações consideram importantes divulgar e ser voluntários para compartilhá-las. Podemos nos beneficiar muito trabalhando com assuntos que impactam a vida de outras pessoas e – por que não? – o mundo em que vivemos. No mínimo, nos beneficiamos por desenvolver a compreensão do leitor acerca de diferentes temas e comunidades. Existem muitas associações humanitárias e de caridade que dependem principalmente de doações, e não têm orçamento para tradução, precisando da nossa ajuda. (A propósito, uma distinção importante deve ser feita: como muitos profissionais, fico realmente chateada quando grandes empresas convocam voluntários ou utilizam crowdsourcing para traduzir seus materiais de graça. Não faz sentido tradutores qualificados trabalharem apenas para empresas lucrativas. Também fico chateada com grandes websites que recrutam alunos de cursos de inglês para “traduzirem” seus conteúdos de graça e acabam passando uma imagem ruim da nossa área. Mas essa é a minha opinião.)

Para vocês terem uma ideia, selecionei materiais de sites de algumas organizações que dependem de voluntários para serviços de tradução, para termos noção do que fazem e talvez nos inspirar a fazer algo:

  • No site The Rosetta Foundation (que se dedica a “aliviar a pobreza, apoiar o cuidado à saúde, desenvolver a educação e promover a justiça por meio do acesso igualitário a informação e ao conhecimento em todos os idiomas”), por exemplo, podemos ler depoimentos inspiradores de tradutores sobre trabalhos voluntários e projetos dos quais participam e com os quais se sentem orgulhosos. Vejamos o exemplo de um desses depoimentos:

Ações úteis e de grande ajuda no mundo devem ser ampliadas por meio da língua e não impedidas por ela. Organizações sem fins lucrativos fornecem serviços inestimáveis à sociedade e acredito que seja importante contribuir para esses esforços sempre que possível. Traduzir é uma contribuição modesta, mas pode fazer uma grande diferença.

  • No site Translators Without Borders, observamos a contagem de 15.868.825 palavras já traduzidas e doadas (no momento da elaboração deste artigo). Na página “About Us” está escrito:

Conhecimento é poder.  Conhecimento salva vidas, tira as pessoas da pobreza, garante mais saúde e nutrição, cria e mantém economias. O acesso a informação é fundamental. Barreiras linguísticas custam vidas. Grupos humanitários, que trabalham em situações de crise, encaram uma missão crucial para disseminar conhecimento na língua daqueles que precisam de informações.

O Global Voices pretende agregar, contextualizar e ampliar a comunicação global online – realçando locais e pessoas que outras mídias muitas vezes ignoram. Nós trabalhamos para desenvolver ferramentas, instituições e relações que possam contribuir para que todas as vozes, em todos os cantos, possam ser ouvidas.

O Global Voices Online criou o Projeto Lingua, que “busca ampliar as Vozes Globais em outros idiomas além do inglês, com a ajuda de tradutores voluntários”. Esses são apenas alguns exemplos nos quais podemos dedicar nosso tempo e conhecimento, mas há muitos outros. Cada um de nós pode encontrar uma causa com a qual se identifica e se envolver com ela!

Sobre a tradutora
Imagem1Cristiane Slugovieski estuda Licenciatura em Letras Português/ Inglês na UTFPR, onde também faz parte do TradLin, grupo de pesquisa e Estudos em Tradução. Reside em Curitiba-PR e pode ser encontrada no Facebook.