Guest post: On hard skills

Welcome back to our guest series! It is with a great pleasure that I introduce you to this month’s guest, Paula Arturo. I love all her writings and was thrilled when she accepted my invitation to write here.

Welcome, Paula!

am-i-translator-or-an-interpreter

Image provided by the author.

While professional translators and interpreters know better, the painful truth is that many of us have that special clueless someone in our circle of friends, family, and acquaintances who seems to think all it takes to be a language professional is to pass a Cambridge exam or spend a summer abroad learning a second language. Though this misconception may appear to be quite widespread, it’s not a belief that is commonly held by high-end translation buyers, such as international organizations, financial institutions or high-stakes financial players; and by that, what I mean is that clients with deep pockets and experience working with translators are usually already aware of the risks of using non-professionals and the benefits of having someone with the right qualifications and experience on their team.

Many young new language professionals aspire to work for such clients, and kudos to them! If you’re a newbie and you’ve already figured out that the bulk market is essentially a race to the bottom, more power to you. The problem is, however, that you might have some misconceptions about what it takes to work for high-end clients. This is so because most workshops, conference sessions, blog posts, and CPD opportunities focus so much on soft skills that people can be misled into thinking that all you need to be a translator or interpreter is a friendly face and emotional intelligence. While soft skills can help land new clients, keeping them and making it to the top of the food chain is an entirely different story.

If you don’t have the necessary hard skills to deliver results, clients won’t be returning or recommending you to anyone else. No matter how much marketing you do or how SEO savvy you are, hard skills are essentially what marks the difference between one hit wonders and multiplatinum holders. So where to begin?

1) Get a mentor, not a guru. We all have role models, i.e. people we look up to and whose accomplishments we want to emulate. Find that person and try to get them to be your mentor. Mentors don’t just pass down knowledge and skills, they also provide professional socialization and guidance to help you get started on the right foot.

2) Work with a reviewer. We all learn from others, and having a reviewer is key to improving the way we look at, interpret, and rewrite our translations. Reviewers challenge your linguistic choices and force you to rethink them or improve the quality of your work. You can’t possibly learn and do better if nobody’s marking your errors, and becoming an exceptional translator means being open to constructive criticism and change.

3) Become an expert. Your subject-matter expertise must be on a par with that of your client. If you can’t hold a conversation with a subject-matter expert in your desired area of specialization, you’re not ready to handle high stakes work. Of course, there may be a difference in the degree of subject-matter knowledge and expertise between you and your client, especially if you come directly from the field of translation and not from your client’s field, but you should still know enough about the subject-matter to talk about it intelligently and know the right questions to ask.

4) Read, read, read, and then read some more! This should be a given. A translator who isn’t an avid reader cannot possibly acquire enough general, background, and specialist knowledge to correctly understand the subtleties and nuances in certain types of texts.

5) Never stop working on your writing skills. Colombian Nobel laureate Gabriel García Marquez once said in an interview he would sometimes have to force himself to set his texts down and stop making corrections to them or he would never send anything to his publisher. Franz Kafka was constantly correcting course and was known to destroy his work out of dissatisfaction with his own writing. Translators have to be exceptionally good writers, and that is a life-long pursuit.

Of course, this is not a comprehensive list, just a start. The takeaway here is that if you aspire to sit at the cool kids’ table you’re going to have to achieve mastery in your craft. So, the next time you choose sessions at a conference, sign up for CPD, or otherwise invest in your training and education, ask yourself this: Am I maintaining a healthy balance between soft and hard skills? Or better yet, am I focusing on hard skills as much as I should be?

Great tips, Paula! I totally agree with you. It takes a combination of well-mastered hard and soft skills to be a professional translator/interpreter. Thank you so much for accepting my invitation and kindly taking the time to write such great advice to our readers! It is a pleasure to welcome you here.

About the author
paula-arturo-high-res-photo-201x180Paula Arturo is a lawyer, translator, and former law professor. She is a co-director of Translating Lawyers, a boutique firm specializing in legal translation by lawyers for lawyers. Throughout her fifteen-year career, in addition to various legal and financial documents, she has also translated several highly technical law books and publications in major international journals for high-profile authors, including several Nobel Prize Laureates and renowned jurists. She is currently a member of the American Translators Association’s Ethics Committee, the ATA Literary Division’s Leadership Council, and Member of the Public Policies Forum of the Supreme Court of Argentina.

Guest post: Terminology for translators

Welcome back to our guest post series! Hope you are all having a great start of the year so far. Mine has officially started this week. I mean, I have been working non-stop, but my mind is set to a new year only after my birthday, so here I am, putting my resolutions into practice with the greatest determination possible.

Enough of me, let’s welcome our first guest of 2017, Patricia Brenes.

Welcome, Patricia!

0r1ci4rb9ju-mark-solarski

Source: Unsplash, by Mark Solarski

Terminology as an added value to your Resume

More and more translators are starting to realize that they just can’t keep writing job description resumes, but rather value-added resumes, which means they need to find new ways to set themselves apart from the competition.

A little over two years ago, I started writing my blog on Terminology, In My Own Terms. Since then, I have received many messages from translators who say it had not occurred to them that Terminology could be a way to advance their careers. So what is all the hype? In the past years, the four blogs that actively talk about Terminology (see list below) have ranked among the 10 top language professional blogs in bab.la’s annual competition, a clear indication of an increased interest in Terminology.

Experts agree that learning about Terminology is key to a successful translation career. During Proz’s 2015 Virtual Conference, Jim Wardell, an experienced German to English translator, indicated that “Terminology is excruciatingly important, getting it right and being fanatical about Terminology, […] is what sets you, as a translator, apart from all the others who don’t do their homework, and that’s what makes your translations shine”. Also, according to Rodolfo Maslias, Head of the Terminology Coordination Unit (TermCoord) at the European Parliament “Terminology is an excellent choice for […] a specialization for linguists.

As Terminology continues to get more and more attention, I believe new training opportunities will open up. So if you don’t know where to start, the first step is to stay informed and up-to-date. Subscribe to these blogs:  TermCoord’s blog is updated daily with the latest events and activities. WordLo by Maria Pia Montoro offers interesting insights on Terminology and a comprehensive list of terminology tools and systems. Terminologia etc by Licia Corbolante is in Italian and although I don’t know much Italian, I find her posts brilliantly written with short and sweet practical cases of terminology. In My Own Terms explains theory in easy terms for beginners and offers, among others, a collection of posts called “Basic Course on Terminology”. There is also an inactive blog which provides useful cases on terminology management that I visit regularly: BIK Terminology, by renowned terminologist Barbara Inge Karsch.

Once you get a better idea of what terminology can do for you, you have more formal options, such as TermNet’s certification for Terminology Managers. They offer a basic and an advanced online course every year, as well as the School of Terminology, a one-week workshop that also allows you to get certified in-site (usually in Germany or Vienna). The Pompeu Fabra University in Barcelona offers a Master’s in Terminology in English or Spanish, with the possibility of taking the courses separately, in case you can’t sign up for the full Master’s right away. You may also want to download the Telegram app and follow TeleTermino, a channel that teaches the basic building blocks of Terminology to beginners and other interested individuals.

There are also videos that introduce Terminology in various forms presented by renowned terminologists. You can also keep up to date by following the major players of Terminology in social media. Lastly, you can learn from the experts by reading the collection of interviews by TermCoord called “Why is Terminology your Passion?”. I think this is a great way to learn about the different roles that terminologists play around the world.

Don’t underestimate the power of Terminology. Offering terminology management to your clients will put you on the right track to a successful career. As expert terminologist Michael Beijer puts it: “Translation and Terminology are inextricably intertwined. Translating is the easy part as it comes naturally to you, but it is the terminology that trips you off.” So you should not only know how to manage terminology efficiently but also get more involved in the Terminology world to keep track of the latest trends. Let the Terminology bug bite you!

Thank you so much for accepting my invitation and taking the time to write to my blog, Patricia! It was an honor hosting you! I thought it was particularly interesting to learn about the Telegram’s terminology channel. Thanks for all the amazing tips!

About the author
pbrenes-photoPatricia Brenes is the owner of the blog inmyownterms.com. Originally from Costa Rica, she moved to Washington in 2000 to work for the Inter-American Development Bank. She obtained her Master’s Degree in Specialized Translation at the Universitat de Vic in Barcelona. She also has a Terminology Manager certification (ECQA) from TermNet. Her blog collects useful information on theory and practice, as well as infographics, biographies, interviews, tools and much more.

Guest post: Kirti Vashee

Welcome back to our guest post series! We are already almost halfway through December and the Holidays are just around the corner. Any big plans?

While waiting for the Holidays, why not enjoy another great reading from a dear guest? I met Kirti Vashee at the last Abrates Conference, held this year in Rio de Janeiro. Then I had the pleasure of interviewing him for my podcast, TradTalk. You can watch or listen to the interview here. You can also read the article I wrote (in Portuguese) about this interview for Metáfrase, the Abrates magazine, here. And now you can enjoy the guest post he kindly wrote to the blog.

Welcome, Kirti!

fexpdv001o4-anas-alshanti

A Machine Translation (MT) Action Plan for Translators

This is an article for those translators that have some interest in, or at least want to understand how to properly assess MT related work opportunities, or add linguistic value in large-scale MT projects. The need for translation of business content and other kinds of information on the internet continues to grow, but there are also changes that affect translators and agencies alike. The most interesting translation work is increasingly moving beyond the focus of traditional translation work and is likely to do even more so in the future. Thus, the most lucrative and interesting NEW translation opportunities, like at eBay for example, may require very different kinds of skills and competence but would still draw on basic translation and linguistic competence.

The forces that drive the increasing use of MT in the world, are largely beyond the control of the “translation industry,” continue to build unabated and can be briefly listed as follows:

  • More Content: The sheer volume of content that global enterprises, governmental agencies and any international commercial venture need to translate continues to grow.
  • Content Value: The value of business content increasingly has a very short shelf-life and thus traditional TEP (translate-edit-proof) approaches are increasingly questioned for information that may have little or no value after six months.
  • Short Product Life Cycles: The product life cycles in electronics, fashion, and many other consumer products get shorter all the time, so rapid, “good enough” product descriptions are increasingly considered sufficient for business requirements.
  • Volume & Cost Pressures: Enterprises are under continuous pressure to translate more content with the same budgets, and thus they seek out agencies who understand how to do this with rapid turnaround.
  • Changing Internet User Base: As more of the developing world comes online it becomes imperative for these new users to have MT to be able to get some basic understanding of existing web content.
  • Free Generic Translation: The universal availability and widespread use and acceptance of “free MT” on the internet has raised acceptance of MT in executive management circles too. This also drives the momentum for large new types of projects that would never have been considered in the TEP translation world.

So if we presume, that it is very likely that MT is going to be a fact of life for many professional translators in the 21st century, what new skills would a translator need to understand and be considered a valued partner, in a world where MT deployment and “opportunities” will continue to abound?

MT today, has already proven itself in professional use scenarios with most Romance languages, but we are still at a transition point in the use of MT in many other language combinations, and thus the MT experience can often be less than satisfying for translators in those languages, especially when working with translation agencies who are not technically competent with MT.

The New Skills in Demand

At a high level, the skills that matter in working with the professional use of MT, that we can expect will grow in value to global enterprises and agencies involved in large MT projects are as follows.

  • Understand the different kinds of MT systems that you would interface with. Translators that understand the different kinds of MT are likely to be much more marketable.
  • Understand the specific output quality of the MT engines that you are working with. Provide articulate linguistic feedback on MT output. Being able to provide articulate feedback on error patterns is perhaps one of the most sought after skills in professional MT deployment today. This ability to assess the quality of MT output is also beneficial to a freelancer who is trying to decide whether to work on a PEMT project or not.
  • Develop skills with new kinds of tools that are valuable in dealing with corpus level tasks and manipulations. It is much more likely that MT projects will involve much larger volumes of data and data preparation and global pattern modification skills become much more useful and valuable.
  • Develop skills in providing pattern level feedback and develop rapid error pattern identification and correction. Being able to devise a rapidly implementable test and evaluation routines that are useful and effective is an urgent market requirement. This paper summarizes the specific linguistic issues with Brazilian Portuguese that provide an idea of what this actually means.
  • Develop a corpus view that involves linguistic steering rather than segment level corrections. This is a fundamental change of mental perspective that is a mandatory requirement for successful professional involvement with MT. Understanding the competence of the translation agencies that you engage with is also a key requirement as it is VERY easy to mismanage an MT project and most translation agencies that attempt to build MT engines on their own  are quite likely to be incompetent.

What can you do?

  1. Learn and educate yourself on the variants of MT.
  2. Experiment with major engines from Google, Systran, and Bing and with specialist tools like Lilt and SmartCAT that allow easy interaction with MT.
  3. Understand how to rapidly assess MT output quality BEFORE you engage in any MT project.
  4. Don’t work with incompetent translation agencies who know little or nothing about MT but only seek to reduce rates with crappy do-it-yourself engines.
  5. Experiment with corpus management tools.

You can find much more information on the eMpTy Pages blog and on many translator forums.

It was a real pleasure to host you here on my blog, Kirti! Thank you so much for accepting my invitation and taking the time to write such an enlightening and useful post!

About the author
kvclrKirti Vashee is an independent machine translation technology and marketing strategy consultant. He was previously VP of Enterprise Translation sales for Asia Online and also  responsible for the worldwide business development and marketing strategy at Language Weaver (SDL). He has long-term sales and marketing experience in the software industry  working in both, large global companies (EMC, Legato, Dow Jones, Lotus) and startups . He is the moderator of the Automated Language Translation group with almost 5,000 members  in LinkedIn and also a former board member of AMTA (American Machine Translation Association). Kirti is active on Twitter and the blogosphere on MT and translation automation related issues. He received his formal education in South Africa, India and the United States. He is also an amateur musician who plays the sitar, bansuri and percussion.

Guest post: Dubbing translation (in Portuguese)

Sejam bem-vindos de volta a mais uma publicação de convidados! Hoje, recebemos o Paulo Noriega, tradutor especializado em dublagem.

Bem-vindo, Paulo!

voice_over_artist_bg

O tradutor para dublagem e a versão brasileira

O longa metragem animado Branca de Neve e os sete anões (1938), um dos principais clássicos dos estúdios Disney, inaugurou a nossa versão brasileira. Durante muitos anos, a dublagem fez parte da vida de muitos brasileiros, por intermédio da TV aberta. Hoje continua muito forte e presente nos canais da TV fechada, e até mesmo em outros veículos, como a Netflix, que já conquistou milhares de adeptos em todo o mundo. Há muito a se falar sobre esse segmento que envolve uma grande cadeia de profissionais, mas antes, acredito que uma boa forma de introduzir esse tema é dar uma breve definição de dublagem. Há inúmeras definições, mas para efeitos mais didáticos, podemos dizer que é o processo no qual os diálogos originais de uma produção são regravados com diálogos falados na língua-alvo.

No entanto, essa transposição de falas de um idioma para outro não ocorre num passo de mágica e muito menos de uma forma simples. Na verdade, além de diversos outros profissionais atuantes nos estúdios de dublagem, há uma figura responsável pela missão de traduzir/adaptar as falas das mais variadas produções audiovisuais para o nosso idioma e criar um roteiro para os dubladores interpretarem: o tradutor para dublagem. Gosto de dizer que o tradutor dessa modalidade é uma espécie de recontador de histórias, pois é seu dever tentar manter o tom e a essência presentes na versão original do produto audiovisual que irá traduzir. Ele deve tentar captar o registro dos personagens e realizar essa transposição para o português brasileiro da melhor forma possível.

Esse segmento tradutório, até hoje relativamente desconhecido pelo grande público e no qual atua esse profissional, está inserido no campo da tradução audiovisual, que também abarca a tradução para legendas (legendagem), o voiceover e a audiodescrição (destinada aos deficientes visuais). Entretanto, o tradutor é apenas um dos agentes de uma longa cadeia. Além dele, há os diretores de dublagem e os dubladores, profissionais que darão vida e voz ao texto produzido pelo tradutor e que darão o seu toque pessoal e artístico no momento das gravações. Outra característica importante e digna de nota é que os tradutores desse ramo são freelancers e não atuam mais dentro dos estúdios de dublagem, sendo o ilustre estúdio Herbert Richers o principal expoente dessa antiga prática.

Agora, abordando um pouco mais os aspectos técnicos, o texto traduzido pelo tradutor desse ramo é feito no Microsoft Word, não sendo necessário o uso de softwares mais específicos, como vemos na área de legendagem, a exemplo do Subtitle Workshop e Horse. Além do arquivo no qual fará sua tradução, ele recebe o vídeo do produto audiovisual que irá traduzir e, na maioria dos casos, um script com as transcrições das falas na língua-fonte (inglês, francês, espanhol…). Esses três elementos são o que gosto de chamar de tripé do tradutor e, com eles em mãos, o tradutor está pronto para executar o seu trabalho.

A elaboração de uma boa tradução para dublagem é muito complexa e há inúmeros fatores que devem ser levados em consideração para realizá-la com maestria. Obviamente, quaisquer termos específicos de uma área, como medicina ou direito, devem ser devidamente pesquisados e traduzidos corretamente, e o tradutor jamais pode perder de vista que o texto que está traduzindo/adaptando precisa ser natural e fluido na nossa língua, já que ele será interpretado em estúdio. Além disso, há diversas sinalizações que precisam estar presentes no roteiro traduzido, a exemplo dos vozerios, que podem ser burburinhos de uma cena em um restaurante ou em um estádio, por exemplo, e as reações realizadas pelos personagens, como um riso, um suspiro ou um choro. Para completar, o tradutor deve fazer uma boa estimativa de fala, ou seja, ver se as falas traduzidas estão muito grandes ou muita curtas para caberem na boca dos personagens e tentar aliar isso a um bom sincronismo labial.

Tal como as demais modalidades tradutórias, é necessário se preparar para entrar nesse mercado que carece de profissionais capacitados e que entendam como a versão brasileira funciona. A nossa dublagem é considerada uma das melhores do mundo e precisamos, cada vez mais, de tradutores conscientes de seu trabalho e que busquem realizar um trabalho de excelência.

Sobre o autor
paulo-profissional-blog-carolinePaulo Noriega é tradutor do par de idiomas inglês-português especializado no campo de tradução para dublagem. Presta serviços de tradução para dublagem dos mais diversos gêneros para renomadas empresas do ramo, tanto do Rio de Janeiro quanto de São Paulo. Traduziu mais de 250 horas de produções audiovisuais e é autor do blog Traduzindo a dublagem, um dos primeiros blogs brasileiros dedicado à tradução para dublagem.

Guest post: Who is the Project Manager? (in Portuguese)

Sejam bem-vindos a mais uma publicação convidada! A convidada deste mês é a Monica Reis, com quem tive o prazer de trabalhar no Comitê de Administração do Programa de Mentoria da Abrates.

Seja bem-vinda, Monica!

photo-1475529502150-61a9d3bb0061

Fonte: Unsplash

Afinal, quem é e o que faz um Gerente de Projetos de Tradução?

Muito se fala no Gerente de Projetos (o chamado PM, Project Manager) como a pessoa que tem o controle de tudo que acontece dentro de uma agência de tradução. É ele (ou ela) o responsável por determinar tudo que acontece em um projeto de tradução, indo desde a escolha do cliente até a data de pagamento do tradutor. O fato é que nem sempre a pessoa por trás do cargo de PM em uma agência está diretamente envolvida em todos os processos que acontecem até que um projeto seja entregue traduzido ao cliente. Muitas outras pessoas estão envolvidas e têm papel até mais determinante que o indivíduo encarregado de gerenciar o trabalho.

Quando recebemos um pedido de tradução de um PM, normalmente não pensamos em tudo que aconteceu até que o seu nome fosse lembrado para aquele projeto específico. Acreditamos que as tratativas com o cliente foram iniciadas ali e que a tríade Cliente – PM – Tradutor formou-se do nada, sem passar por outras áreas da empresa.

Para que aquele cliente tenha chegado até a agência, foi necessário que um representante comercial fizesse contato com ele oferecendo serviços de tradução. Houve uma negociação de valores (nem sempre o cliente acha que a tradução vale aquele preço) e prazo (o cliente sempre acha que dá para fazer em um tempo menor). Só depois disso é que o projeto chega às mãos do PM. Engana-se quem pensa que quem determina o valor de uma tradução é o PM; ele normalmente trabalha com os valores determinados pelo dono da agência e, em alguns casos, com margens negociadas pelo representante comercial. São raros os casos em que o PM tem o controle sobre o valor a ser pago por uma tradução. Em uma agência ideal, o PM trabalharia junto com o departamento de vendas para determinar o valor de cada texto de acordo com sua complexidade linguística e de diagramação, prazo e outros fatores relevantes. Entretanto, a maioria das agências trabalha com valor fechado para a lauda, com alguma diferença de valor para prazos menores do que o normal (a chamada “taxa de urgência”).

E por falar em valores, engana-se também quem acha que é o PM quem determina o valor da lauda para o tradutor. Novamente, entra em cena o dono da agência. O PM até pode tentar negociar um aumento nas tarifas, mas a palavra final nunca é dele.

Quanto à escolha do tradutor para um projeto, podemos dizer que a decisão é quase que inteiramente do PM. É o PM quem decide que tradutor alocar para um determinado trabalho; entretanto, outros fatores podem influenciar nessa decisão, como descontos negociados com o cliente (que, consequentemente, alterarão o valor da lauda para o tradutor), escolha do cliente, entre outros.

A reputação do tradutor em termos de qualidade, entrega no prazo correto e especialidade no assunto são aspectos fundamentais na hora de tomar a decisão pelo melhor profissional para um projeto de tradução; mesmo assim, um PM pode decidir escolher outro tradutor por diferentes motivos. Muitas agências preferem trabalhar com o mesmo tradutor para determinado cliente (usando aquela velha máxima de que “não se mexe em time que está ganhando”). Muitos tradutores são especialistas no assunto, mas não aceitam a tarifa paga pela agência e nem sempre o PM pode interferir nesse processo.

Outro conceito errado é sobre a seleção de tradutores novos. A dificuldade de receber uma resposta (seja ela positiva ou negativa) de uma agência nem sempre está relacionada ao desinteresse do PM em contratar novos talentos para a sua agência. Muitas vezes, o PM recebeu outro currículo que se encaixa perfeitamente nas necessidades da agência naquele momento; ou aquele projeto não vingou; ou ele está envolvido em outros projetos com maior prioridade. Um PM organizado vai manter os currículos enviados de tal maneira que possa fazer contato com os tradutores quando for oportuno. Já enviei currículos e recebi resposta imediata, mas já tive muito mais currículos respondidos meses depois de tê-los enviado a agências.

Pensa que acaba aí? Não! Ainda falta a fase de revisão, diagramação (se for o caso) e entrega ao cliente. E depois disso, ainda é preciso esperar para ver se o cliente tem algum comentário, sugestão ou crítica sobre o trabalho entregue. Cabe ao PM receber o feedback do cliente e repassar ao tradutor e/ou revisor, conforme o caso, para futuros ajustes. Ainda é preciso gerenciar crises (quando o tradutor não entrega a tradução ou entrega em um prazo posterior ao acordado; quando o cliente não aprova a tradução ou quando o cliente não faz o pagamento, só para citar algumas).

O que o tradutor precisa entender é que a função de PM exige muito mais do que o simples conhecimento de idiomas. O PM precisa, antes de mais nada, ser flexível, saber solucionar problemas com rapidez e saber lidar com os vários elementos humanos envolvidos em um projeto de tradução. Assim como nós tradutores reclamamos quando um cliente fica insistentemente perguntando se o projeto contratado já está pronto, o PM também acha inconveniente que tradutores perguntem insistentemente sobre currículos enviados, prazos de pagamento, peçam adiantamento, etc. Então, da próxima vez que você não tiver resposta sobre um currículo que enviou e em vez de achar que o seu currículo foi parar na lixeira, pense nas outras tarefas que aquele profissional tem que cumprir durante o dia. Escreva, mas use o seu bom senso para saber quando e como escrever. Cordialidade e respeito são ótimos e todo mundo gosta.

Agradeço imensamente a aceitação do meu convite para escrever aqui no blog, Monica! É sempre muito bom ter outras perspectivas do processo de tradução.

Sobre a autora
monica-reis-2Monica Reis é graduada em Letras/Tradução pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). É tradutora técnica e jurídica do par inglês-português com mais de 15 anos de experiência. Membro da Abrates e da American Translators Association, faz parte do Comitê de Administração do Programa de Mentoria da Abrates e é editora-assistente da Revista Metáfrase, a revista on-line da Abrates.

Guest post: Pesquisa terminológica em tradução

Bem-vindos de volta à série de publicações convidadas!

Hoje seria dia da série de entrevistas, mas, impreterivelmente neste mês, invertemos a ordem. Portanto, a série de entrevistas será no dia 10.

É com imenso prazer que recebo um grande amigo, meu veterano, aqui no blog.

Seja bem-vindo, Deni!

Processed with VSCO with 4 preset

Source: Unsplash

O Google ou um corpus? Quem tirará minhas dúvidas?

Agradeço minha amiga Caroline Alberoni pela oportunidade de escrever para o seu blog. Ela já havia feito o convite há algum tempo, e desde então venho tentando pensar em um tema que possa ser interessante para os seus leitores. Nesse ínterim, propus para os meus alunos do curso de Tradução da UNILAGO que traduzissem uma publicação convidada como atividade da minha disciplina de Prática de Tradução. Essa, certamente, foi uma experiência muito proveitosa para os alunos e para mim!

Para a escolha do tópico que abordo nesse texto, retornei aos meus anos de graduação em Tradução e fui tentar resgatar o que havia fundamentalmente mudado na minha dinâmica como tradutor. Lembro-me que no início dos anos 2000, a Internet já fazia, de certa forma, parte de nossas vidas, e buscadores como o Yahoo, Cadê e AltaVista nos ajudavam a encontrar o que precisávamos naquele mundo de informações que já parecia ser um mar sem fim. Entretanto, foi o Google que popularizou as pesquisas que não eram exatamente uma busca por uma página, mas se tratava apenas de uma averiguação de frequência. Lembro-me de já usá-lo, nos meus exercícios de tradução (sobretudo de versão), para me certificar de uma regência, uma ortografia ou a formalidade ou informalidade no uso de uma palavra ou expressão.

Alguns anos depois, a quantidade de informações indexadas pelo Google aumentou enormemente. Dadas as diferentes tipologias de textos que são indexados, o Google foi “se especializando” e hoje é possível procurar apenas em notícias, textos acadêmicos e livros. No caso desses últimos, o Google ainda criou uma ferramenta chamada n-gram viewer (não disponível para o português), por meio da qual é possível contrastar a frequência de uma dada palavra ou expressão num período de tempo e ainda comparar com outra palavra ou expressão.

Para exemplificar o quão interessante pode ser o uso dessa ferramenta, tomemos uma publicação parte de uma recente série sobre gramática e uso, em que Michael Rundell, editor-chefe do dicionário da língua inglesa Macmillan, trata do uso de “different from” e “different to”. Com base em uma observação em corpus, ele conclui que “different to” é raramente usado no inglês americano, mas é comum no inglês britânico. Fui verificar o que o Google n-gram viewer tinha a dizer a respeito, com base em ocorrências em livros publicados de 1800 a 2008, e chegamos às mesmas constatações de Michael Rundell: “different from” é bem mais recorrente em ambas as variantes da língua inglesa (sempre foi), mas parece estar ganhando (discretamente) fôlego na literatura, nos últimos anos. Fiquemos de olho.

No exemplo que acabo de dar, tanto o Google quanto o corpus proporcionaram uma conclusão semelhante. Nesse sentido, noto que tenho encorajado meus alunos a valerem-se da Internet como forma de auxiliarem suas tarefas na disciplina de Prática de Tradução, mas com um olhar duvidoso sobre tudo o que esse mundo de informações apresenta. O grande volume de textos que vemos publicados on-line, hoje, tornou difícil até mesmo dizer o que, de fato, foi escrito por falantes nativos da língua e o que é produto de tradução (automática ou não). É na tentativa de tornar tais pesquisas mais confiáveis e representativas dos usos da língua que o corpus se mostra útil.

Caberia aqui uma rápida definição do que vem a ser um corpus (palavra latina, cujo plural é corpora). Trata-se de um grande conjunto de textos, selecionados segundo alguns critérios (para que o corpus servirá? Qual será sua extensão? Que tipos de textos farão parte dele?), em formato digital, de modo a extrair-se dele informações linguísticas relevantes. No meio acadêmico, esse tópico vem sendo tratado já há algum tempo, mas tem ganhado cada vez mais força com a Internet e com a grande capacidade de armazenamento e processamento dos computadores atualmente. Se antes, para criar um corpus, era necessário um árduo trabalho de digitalização de textos impressos, hoje é possível compilar um corpus a partir de textos que já se encontram disponíveis na Web, de maneira rápida e automatizada, e que podem servir para propósitos diversos. Um tradutor, por exemplo, diante de um trabalho sobre meliponicultura ou mineralogia, além de recursos como dicionários e sites especializados pode recorrer a um corpus compilado especificamente para a tradução de um texto e extrair dali termos atuais, se pensarmos que tal corpus foi constituído a partir de textos recentes, encontrados na Internet.¹

Mas por que não utilizar, simplesmente, o buscador do Google para fazer essa mesma tarefa? Afinal, compilar um corpus exige que se faça a seleção dos textos e que eles sejam armazenados com certa sistematicidade (em arquivos que sejam legíveis por programas específicos que processam corpus). É preciso ter em mente, contudo, que uma busca no Google, hoje, pode retornar resultados que não correspondem, muitas vezes, à realidade de usos. É justamente a vastidão de textos que são indexados por um motor de busca como o Google que desabona a sua utilização quando estamos em dúvida sobre um certo termo ou um uso. Os textos ali presentes podem ter origens que não são exatamente as mais confiáveis (a menos que estejamos buscando no Google Livros, como exemplifiquei acima).

Recentemente, em um exercício com meus alunos de Prática de Tradução, o termo “recycling containers” apareceu no texto de partida, o que gerou uma certa variedade de opções nos textos de chegada. A tradução mais frequente foi “recipiente de reciclagem” (três ocorrências); “contêiner de reciclagem” e “container de reciclagem” foram, cada um, a opção de dois alunos; uma aluna apresentou “contentor de reciclagem”, em seu texto (o que parece ser também a tradução do Google Tradutor para “recycling container”).

Ao recorrer ao Google, é possível verificar que “recipiente de reciclagem” é a opção mais frequente, seguida de “contentor de reciclagem”. Embora “recipiente de reciclagem” me parecesse uma possibilidade plausível, eu não estava satisfeito com essa tradução. “Contentor de reciclagem” estava fora de questão, mas como mediador-professor da disciplina, eu deveria motivar minhas decisões e expô-las aos alunos. Intuitivamente, pensei em “lixeira de reciclagem” como uma tradução apropriada, mas a frequência do Google indicava que esse termo era menos frequente que “recipiente de reciclagem”².

É aqui que o uso de um corpus parece-me apropriado e mostra vantagens sobre o Google. Utilizei um corpus que está gratuitamente disponível na Web e faz parte de um conjunto de recursos disponibilizado pela Linguateca³. Mais especificamente, utilizei o corpus CHAVE que, por sua vez, faz parte do AC/DC, um conjunto de corpora, convenientemente armazenados e acessíveis de um mesmo local. O CHAVE conta com textos jornalísticos da Folha de S. Paulo e do jornal português Público. A escolha recaiu sobre esse corpus, pois, eu gostaria de atestar que “contentor” era uma palavra mais utilizada em Portugal.

Duas buscas confirmaram minha hipótese, mas, para tanto, foi necessário especificar que uma busca deveria retornar apenas resultados dos textos brasileiros e a outra, apenas textos portugueses. Para tanto, adicionei à busca a restrição [variante=“BR”] e [variante=“PT”]⁴, respectivamente. Conforme previa, não houve uma ocorrência sequer de “contentor” no português brasileiro; já na variante portuguesa, foram 930 resultados.

Era, então, o momento de embasar a minha escolha (“lixeira de reciclagem”) para a tradução de “recycling containers”. O Google, como já antevi, não me ajudaria, pois, dava como vencedor “recipiente de reciclagem”. Apelei, assim, para um outro corpus, disponível on-line, o ptTenTen. Esse corpus encontra-se armazenado na ferramenta Sketch Engine (veja nota de rodapé 1) e contém alguns bilhões de palavras (o que é bastante significativo). Além disso, o ptTenTen, assim como o CHAVE, permite que se façam buscas nas variantes brasileira e portuguesa ou separadamente.

Minha breve pesquisa confirmou, numericamente (ainda que com números baixos), o que eu suspeitava: “lixeira de reciclagem” é o termo mais frequente entre aqueles apresentados como opção de tradução para “recycling container”, conforme o quadro abaixo.

Captura de Tela 2016-08-01 às 11.24.32

Vale ressaltar, reafirmando o que digo acima sobre o grande volume de informações na Internet hoje (e que acaba sendo indexado pelo Google), que percebi que muitos dos resultados para a busca “contentor de reciclagem” eram páginas de sites como Alibaba ou sites gerados com o auxílio de tradução automática, além dos textos que haviam sido escritos em outras variedades não brasileiras do português.

Com essa experiência de tradução que aqui apresento, busco fomentar uma reflexão sobre um aspecto da competência do tradutor, isto é, como a prática tradutória tem sido afetada de modo a favorecer o texto final, minimizando esforços e tempo, tão caros num mundo onde o tradutor nunca foi tão necessário. A utilização de corpora parece, num primeiro momento, acrescentar mais um trabalho às já muitas tarefas do tradutor, todavia, esse exemplo, ainda que simples, mostra que nossa intuição pode ser confirmada ou refutada com dados mais confiáveis.

¹ Uma ferramenta que pode auxiliar um tradutor nesse sentido é o Sketch Engine, um processador de corpus que funciona on-line e que a partir de algumas palavras-chave (o termo correto aqui seria “seeds”) busca a Web e compila um corpus com base nessas palavras-chave. O Sketch Engine é capaz de processar corpora de diversas línguas e oferece recursos diversos, desde uma lista de frequência de palavras presentes no corpus até as chamadas word sketchs, em que é possível ver padrões de coocorrência de palavras. A ferramenta pode ser acessada em https://www.sketchengine.co.uk.

² No momento em que escrevo esse texto “recipiente de reciclagem” ocorre 74 mil vezes, enquanto “lixeira de reciclagem” tem 20,5 mil ocorrências.

³ A Linguateca é um um centro de recursos para o processamento do português que conta com o apoio de diversos pesquisadores no Brasil e em Portugal. Os recursos da Linguateca podem ser acessados em http://www.linguateca.pt.

⁴ Essas restrições de busca e tantas outras tornam o uso de corpora interessante. O corpus precisa conter informações (nesse caso, a que variante do português pertence o texto) e essas são adicionadas manualmente ou automaticamente. Outro tipo de informação útil e que é possível adicionar automaticamente são as categorias gramaticais das palavras. Um corpus anotado com esse tipo de informação permite buscas mais interessantes do que aquelas que o Google oferece. Por exemplo, podemos pesquisar por “casa” como forma verbal de “casar” em vez do substantivo.

Muito obrigada por ter aceitado meu convite e dedicado seu tempo em escrever algo tão interessante e útil para o blog, Deni! Foi um grande prazer recebê-lo aqui.

About the author
facebook08Deni Kasama é formado em Tradução pela UNESP de São José do Rio Preto, onde recententemente concluiu também seu doutorado. Atualmente, é docente na União das Faculdades dos Grandes Lagos (UNILAGO), além de atuar como tradutor e revisor freelancer de textos acadêmicos. Suas pesquisas recentemente têm se concentrado nas contribuições da Linguística de corpus para a Tradução e a Lexicografia.

Guest post: ProZ membership (in Portuguese)

Sejam bem-vindos a mais uma publicação convidada! A convidada deste mês é a Adriana de Araújo Sobota, querida amiga e companheira no Comitê de Administração do Programa de Mentoria da Abrates.

Seja bem-vinda, Adriana!

photo-1459257831348-f0cdd359235f

ProZ – Vale a pena ser associado?

Uma das perguntas mais frequentes que tradutores, principalmente iniciantes, me fazem é se vale a pena ou não assinar o ProZ. Esse é um assunto muito controverso. Por um lado, tradutores que conseguiram conquistar uma clientela que paga tarifas mais altas acham aviltantes as tarifas oferecidas por alguns anunciantes. Por outro lado, tradutores iniciantes ou que trabalham para agências nacionais, por exemplo, se beneficiam do câmbio e acham essas mesmas tarifas vantajosas.

O fato é que não podemos pensar apenas no valor médio por palavra oferecido no ProZ. Temos que considerar todos os benefícios e entender como ele funciona. Saber aproveitar o que o ProZ oferece pode fazer a diferença para conseguir nele mesmo essa clientela, digamos, superior. Eu trabalho exclusivamente para agências, todas internacionais e 90% delas vieram do ProZ. Portanto, eu só vejo vantagens em ser assinante. Mas essa é a minha visão. Para outras pessoas pode não ser vantajoso e não sou eu que vou dizer o contrário, minha proposta aqui é explicar por que eu acho vantajoso ser assinante.

O que é o ProZ?

É um site onde empresas, tradutores, agências se cadastram e oferecem trabalhos ou prestação de serviços. Tem quem chame o site de leilão, pois algumas agências oferecem trabalhos na base do “quem dá menos”, mas não é só isso que acontece ali. O site tem uma seção de ofertas de trabalho, uma espécie de classificados. Parte dos trabalhos oferecidos já tem o preço que o cliente quer pagar; parte não tem preço e o cliente pergunta a tarifa do tradutor. Algumas das ofertas vêm com o famoso pedido de “best rate”, aí nos perguntamos: best para quem? Claro que para eles!

Quanto custa a assinatura?

Você pode criar seu perfil gratuitamente no ProZ, mas se assinar, terá acesso a mais recursos. A assinatura anual custa, para novos membros, U$ 144. Para quem já é assinante, a renovação da assinatura anual custa U$ 133. Também oferecem uma assinatura semestral, que acaba saindo mais caro, mas que de imediato é mais em conta. A semestral para novos membros custa U$ 99 e para quem vai renovar, U$ 90. Eles oferecem ainda uma terceira modalidade de assinatura, que inclui um pacote de treinamento composto por vídeos e treinamentos para fazer sozinho. O valor é U$ 199 para novos membros ou não. Se optar por essa modalidade de assinatura, ela terá validade de um ano e você poderá escolher um de três pacotes de treinamento: marketing e promoção pessoal; gestão de projetos ou pacote para iniciante. Esses pacotes também podem ser adquiridos separadamente e custam U$ 119 cada (para novos membros ou não).

Vantagens de ser assinante

A primeira vantagem de ser assinante é que você terá acesso imediato às ofertas de trabalho restritas. Não assinantes só podem ver a maioria dessas ofertas após um período mínimo de 12 horas. Muitos anunciantes abrem a oferta para não assinantes após 48/72 horas. Outra grande vantagem é ter acesso ao Blue Board, um diretório que mostra como os colegas tradutores avaliaram as agências (de 0 a 5). Esse diretório é muito útil quando não conhecemos a agência e queremos saber se é boa pagadora, por exemplo. Outras vantagens de ser assinante são: assinantes aparecem listados antes dos não assinantes para os clientes; as cotações dos assinantes são visualizadas primeiro pelos anunciantes; posicionamento nas pesquisas do Google (os clientes são direcionados para o seu perfil no ProZ); descontos em alguns treinamentos oferecidos no site; monitoramento de visitantes do seu perfil; participação em concursos de tradução; descontos em algumas ferramentas etc.

Como tirar máximo proveito do ProZ

Um grande erro do tradutor que diz não conseguir nada no ProZ é não investir no seu perfil. Vejo muitos que criam o perfil e o deixam lá, às moscas. Se um cliente tem um trabalho de inglês para português na área de marketing, vai encontrar centenas de perfis no ProZ e será difícil escolher. É claro que o perfil mais completo, mais organizado e mais detalhado vai se destacar. Ok, isso se o cliente estiver procurando qualidade, porque se estiver procurando preço, vai no mais barato e pronto. Mas aqui queremos chegar àquela clientela “superior”, certo? Assim sendo, é crucial caprichar no seu perfil, colocar o máximo de informações possível, apresentar o seu produto de forma atraente e convincente.

Outro recurso importante e não muito explorado é o WWA (Willingness to Work Again). Com ele, você pode pedir aos seus clientes para deixar depoimentos sobre o seu trabalho. Assim você mostra para os seus futuros clientes que é um profissional sério e respeitado. Igualmente importante é responder rápido às ofertas interessantes de trabalho. Muitas vezes o cliente tem pressa, e se você deixar para responder depois, pode acabar perdendo oportunidades. Lembre-se de que as ofertas são baseadas em critérios específicos (idioma, especialidade, CAT tool etc.), portanto, seja bem específico ao criar o seu perfil, para ter a certeza de que as ofertas ideais cheguem ao seu e-mail.

Depois que melhorei meu perfil, passei a receber inúmeras ofertas de trabalho diretas, que nem vão para a lista. É claro que não foi assim desde o início. Sou associada do ProZ há 9 anos e demorou alguns anos para chegar no nível atual, de raramente responder a uma oferta da lista, a não ser que seja algo muito interessante. Os clientes passaram a me enviar mensagens com ofertas diretas e consegui boas agências assim. Em outras palavras, não é porque você está no ProZ que precisa participar do “leilão”. É claro que, para quem está começando, tem a questão da experiência para colocar no perfil. Mas aí é que entra o seu marketing pessoal, sua capacidade de mostrar que, apesar de ter pouca experiência, é muito bom no que se propõe a fazer, e mostrar isso por meio do zelo demonstrado no seu perfil, da preocupação em se profissionalizar, esse é o ponto de partida para o sucesso.

Muito obrigada por ter aceitado meu convite para escrever para o blog, Adriana! Foi um grande prazer recebê-la no meu cantinho. 🙂

Sobre a autora
Foto FaceAdriana de Araújo Sobota é graduada em Letras e pós-graduada em Linguística Aplicada. É tradutora técnica de inglês e espanhol para português há 17 anos nas áreas de TI, medicina, administração e marketing, engenharias, telecom, turismo e websites. Uma das coordenadoras do Programa de Mentoria da Abrates. É sócia e coordenadora pedagógica do Netwire Learning Center. Editora-chefe da Revista On-line da Abrates. É membro da ABRATES e da American Translators Association.

Guest post: We need to be taken seriously (in Portuguese)

Um bom dia congelante para você que mora no Brasil e está sofrendo com esse frio fora do comum. Minhas mãos estão congeladas e está sendo extremamente difícil digitar, mas são os ossos do ofício, não é mesmo? 😉

A publicação convidada deste mês, como vocês podem ver, é em português, daquela que ama chocolates e não esconde de ninguém, Mitsue Siqueira.

Seja bem-vinda, Mit!

13461208_438350469697733_413869157_o

Por que você precisa ser levado a sério?

Muita gente reclama que o trabalho do tradutor não é reconhecido nem valorizado pelos clientes e no mercado de trabalho, e que somos cada vez mais subestimados principalmente quando se trata de valores. No entanto, mal nos damos conta de que é igualmente importante educar a cabeça de quem passa mais tempo conosco: nossa família.

Vamos combinar que ninguém merece ouvir dos parentes comentários como “Mas você não trabalha?” ou “Só sabe ficar nesse computador o dia todo!”. Isso para não falar das festas, quando parece que todo mundo se reúne com o objetivo de falar abobrinhas como “Por que você não faz logo um concurso?” ou “Quando vai arrumar um trabalho de verdade?”. Bom, aqui vão algumas dicas para você impor respeito e acabar de vez com essas perguntas nada agradáveis.

Noção do seu trabalho

As pessoas sabem o que você faz? Se não, explique a elas. Você é tradutor, não é professor de idiomas, nem dicionário ambulante nem gramática viva. Você pode até ser professor também, gramatiqueiro ou não, mas é importante fazer as pessoas entenderem que você traduz, e que tradução, didática e linguística podem até se complementar, mas são atividades diferentes que exigem habilidades diferentes.

Respeito ao seu trabalho

As pessoas que moram com você precisam entender que sua casa é o seu local de trabalho. Se você decidiu adotar o seu quarto como home-office, informe que é preciso haver silêncio durante determinado período do dia, com o mínimo possível de interrupções. Se necessário, apele para a personalização de uma linda plaquinha “Estou trabalhando” e pendure na porta do quarto. No pior dos casos, vá de “Não perturbe” mesmo e trabalhe feliz no sossego do seu cantinho.

Respeito ao fruto do seu trabalho

“Tá pensando que dinheiro dá em árvore?” Duvido que você nunca tenha ouvido essa frase de algum parente seu. Então, quando aquela sua tia chata bater na porta do quarto (mesmo com a linda plaquinha personalizada) querendo matar a saudade, fazer fofoca ou simplesmente jogar papo fora, mostre que você aprendeu a lição da árvore que não dá dinheiro e dispense-a educadamente. Afinal, você precisa trabalhar para pagar suas dívidas. Combine de jogar papo fora com ela na hora do almoço, no chá das cinco ou em qualquer outro momento oportuno, mas não na hora do trabalho.

Brincadeiras à parte…

Sim, vamos falar sério agora, muito sério. Como tradutores, enfrentamos uma luta diária para conquistar novos clientes, ganhar valores que correspondam aos nossos esforços, nos destacar em meio ao mercado de trabalho, ser reconhecidos como uma categoria séria (e não apenas como uma profissão “complementar”) e para impor uma série de outros limites que determinam o nosso bem-estar profissional. Se você não consegue organizar uma rotina de trabalho em casa, certamente não terá a estrutura necessária para correr atrás de todos esses outros empreendimentos.

É isso mesmo, impor limites é nosso dever. As outras pessoas pouco (ou nada) sabem da nossa profissão, e isso não é obrigação delas; cabe a nós ensiná-las como a banda toca. Assim como você ensinou que existe um negócio chamado fuso horário àquele cliente que ligou duas ou três vezes durante a madrugada, você deve ensinar que existe um negócio chamado horário de trabalho a quem quer que divida o mesmo teto com você.

Então, ficamos combinados assim: nada de música alta, nada de interrupções desnecessárias, nada de invasões repentinas. Chega, agora não dá mais. Estou trabalhando, mais tarde nos falamos, ok? Afinal de contas, respeito é bom e todo tradutor também gosta.

Muito obrigada por ter aceitado meu convite para escrever aqui no blog, Mit! Principalmente na semana pós-congresso da Abrates, a mais corrida e insana de todas as semanas do ano. Foi um prazer recebê-la no meu cantinho. 🙂

About the author
13453502_438349616364485_156732696_oMitsue Siqueira trabalha como especialista linguístico na Ccaps, empresa brasileira de localização de software, há cerca de cinco anos. Além disso, Mitsue idealizou o Projeto TransMit, uma iniciativa inovadora que visa ajudar tradutores iniciantes e experientes a mapear a qualidade do próprio trabalho por meio de feedbacks linguísticos detalhados e constantes. É formada em Letras (Português-Inglês) pela Universidade Federal Fluminense.

Guest post: Yoga for translators

Welcome back to our guest post series, dear readers!

Our guest today is also from my hometown, Rio Claro (SP, Brazil). She was born in Descalvado, SP, but moved to Rio Claro when she was 5. However, she can actually be considered a nomad, because is frequently moving from one place to another in the world. She has lived for a while in Australia and her last adventure was in India, early this year.

Although being from the same hometown, we actually met on a bus back home from the last Abrates conference (2015), where someone switched seats with her and she ended up sitting next to me. Talk about destiny (or coincidence, whatever you call it)!

Welcome, Sofia Pulici!

Foto ilustrativa

How translators can benefit from yoga

Greetings to all the readers, to my teachers & masters, and to Carol, for inviting me to write this guest post!

Yoga has been a part of my life for nearly six years now. I was first drawn to yoga as a young adult. I liked the fact that it enables you to strengthen and calm the body and mind, and connect with yourself – but it was not until 2010 that I started practicing yoga regularly. Back then, I had no idea that I would benefit so much from it, and that regular practice would have such an enormous impact on all aspects of my life, including my work routine.

Yoga has helped me to become much more aware of my body and mind. As a consequence, I started making changes to my sitting posture and the position of my hands on the keyboard, while working. I noticed that my mind was calmer to reply to emails, communicate with direct clients, colleagues and agents, and reflect on translation options. What amazes me the most is that this all seemed to happen naturally – as my mind became more alert and more aware of what was happening, I started to become more aware of my sitting posture, how my back is supported, how my hands bend or move while typing, how anxious or calm my mind is when faced with the daily workload, etc. This awareness allows me to make instant adjustments, paying heed to what my body or mind is trying to tell me.

For some time now, I have been keen to share all this information with my colleagues and fellow translators, so that those interested in starting this practice might also benefit from it. Below are some of the benefits that can be gained through regular yoga practice:

  • Releasing tension – as translators, we know all about tension, right? Tension can build up in the shoulders, neck and back muscles, in the eyes, even in the brain…
  • Releasing stagnant blood from parts of the body that we do not move constantly – we sit for long hours and, even if we take regular breaks and do physical exercise, we may forget about toes, the back of the legs that are compressed against the chair, etc.
  • Lubricating joints, including hip joints – this improves mobility (remember we experience long periods of sitting!) and helps prevent injuries
  • Strengthening muscles – particularly strengthening the back and core muscles, which helps when sitting for long hours
  • Irrigating the brain – excellent for the long hours of mental processing required of translators
  • Stretching the muscles and spine – also good when sitting for long hours, as it helps  align the spine, and causes energy and blood flow better
  • Massaging internal organs – helping maintain perfect health of the organs, particularly in the lower abdominal region, which are compressed when we remain sitting for long hours
  • Balancing and integrating the right and left hemispheres of the brain – positively influencing cognitive processes, helping with concentration and focus, and enabling us to learn better
  • Releasing gases from the body – which, depending on the foods we eat, can accumulate with long hours sitting down
  • Strengthening eye muscles – with eye cleansing techniques that strengthen the eyes and maintain eye health

Yoga has beneficial effects on the mind, and it helps reduce anxiety and increase concentration. A clearer, calmer mind can be helpful when negotiating with clients or tackling stressful projects. I have learned that, instead of getting anxious, jumping to conclusions, or getting stressed over something a project manager or client has said, for example, with regular practice I am able to recognise these stressful moments more easily, and react more calmly and consciously.

Yoga is not just about assuming certain body postures, called asanas. Other practices, such as meditation, yoga nidra (full body relaxation and deep state of consciousness), pranayama (breathing practice), and mantra chanting, among others, can all help you connect with your body and mind, become more aware of what is happening inside you, and be more in tune with your own personality.

Important notes about yoga:

  • Yoga is not something miraculous or supernatural; it helps you connect with and become aware of your body and mind, and remove the layers (misleading thoughts, habits, patterns) that hide your true essence.
  • Although it is not something supernatural, yoga is a serious, subtle practice and should be practiced with the guidance of a qualified yoga instructor who is serious about the tradition. Unless you have had some training or are an experienced practitioner, you shouldn’t try and practice it by yourself at home or following videos uploaded to the Internet. Neither should you attempt to put your feet behind your head or get into an upside down posture just to show off your flexibility – that’s not what yoga is all about.
  • In order to gain the full benefits, you need practice yoga regularly. It is better to have two regular weekly sessions than to practice yoga sporadically, or at irregular intervals.

Thank you so much for such a lovely contribution to the blog, Sofia! It was a pleasure hosting you and reading your post. Good luck on your next adventure!

About the author
Foto SofiaSofia Pulici is a linguist (MA in Applied Linguistics), and a NAATI- and ABRATES-accredited Portuguese/English translator who will have completed 10 years as a translator in June this year. Her fields of expertise are tourism & hospitality, yoga & spirituality, and migration documents to Australia. As a yoga practitioner since 2010, Sofia is committed to improving her yoga learning and techniques; she has studied Vedanta since October 2015, has been learning the Sanskrit language, and is enrolled in a yoga training program. You can contact her through her translation blog, Facebook page, or LinkedIn.

Guest post: Coworking (in Portuguese)

unsplash-bonus

Coworking: um modismo benéfico à saúde da tradução profissional

Dizem por aí que procrastinar é o oitavo pecado capital do homem contemporâneo, mas foi mergulhando nessa sina que eu descobri o coworking. Segunda-feira arrastada, Facebook aberto, feed de notícias pra cima e pra baixo, até que bati o olho no post de um colega anunciando que sua empresa estava de casa nova em um espaço de coworking. Curiosa, cliquei na tag do lugar e em um minuto me encantei pela proposta – ou melhor, fiquei obcecada a ponto de isso ter me rendido uma experiência de vida e trabalho fora do país, um par de palestras e um convênio de abrangência nacional para tradutores – nada mal para uma procrastinadazinha, não? E essa brincadeira só está começando. Mas, afinal, o que é coworking?

A resposta objetiva e superficial para essa pergunta é: um escritório compartilhado por profissionais liberais de diferentes áreas.

A resposta aprofundada (e que dá pano para manga) para essa pergunta é: um fenômeno (re)construído diariamente por aqueles que se propõem viver e trabalhar dentro da recém-nascida ordem da economia colaborativa.

Fruto da virtualização e da globalização do cotidiano, os coworkings são, fisicamente, espaços apropriados coletivamente por pessoas com diferentes objetivos de negócio. Assim, também são temporariamente multifacetados, pois o fluxo de integrantes (os coworkers) é dinâmico e variável. Além de oferecer benefícios diretos, facilmente identificáveis – uma alternativa econômica aos custos estratosféricos do mercado imobiliário/ratatá de infraestrutura -, os espaços de coworking também proporcionam ganhos indiretos, sutis e subjetivos por hospedarem diversidade, sendo, na prática, verdadeiros melting pots do empreendedorismo. Logo, são espaços que os tradutores precisam ocupar com urgência para crescer profissionalmente, até porque coworkar é a solução perfeita para fugir do isolamento do home office e fazer um networking saudável e nada forçado.

Foi experimentando essa prática em Buenos Aires que notei o potencial de transformação que coworkar traz aos seus adeptos. Por não estar em casa e por estar pagando pelo uso daquele espaço, chegava para trabalhar de verdade, com foco. Aproveitei também para cronometrar minha produtividade, comprovando na prática de que eu precisava, em média, de quatro a cinco horas bem trabalhadas para dar conta das minhas metas diárias. Isso me deu tempo suficiente para conhecer a cidade porteña com calma, fugindo do óbvio turístico, e, aos poucos, comecei a cultivar minhas próprias raízes no local. Em outras palavras, ouso dizer que consegui me aproximar um pouquinho do famoso work-life balance ao experimentar tocar o meu negócio em um espaço de coworking. E voltei para o Rio de Janeiro obstinada a espalhar a ideia para as pessoas, principalmente para tradutores como eu.

E desse desejo surgiu, há um mês, o Convênio Coworking para os associados da ABRATES e do SINTRA. A proposta é bem simples e está toda resumidinha no vídeo fixado na fanpage do Pronoia Tradutória. Acredito que estamos vivendo um momento definidor para a nossa profissão, que ganhou visibilidade com a chegada dos megaeventos no país. Portanto, está na hora de darmos as caras para o mundo e conhecê-lo melhor: ver e ser visto é um passo fundamental para desmistificar aqueles mal-entendidos acerca do nosso ofício. E esse esforço não é somente uma questão de autopromoção, mas também serve para semear os frutos vindouros de um mercado mais sadio. Afinal, a (in)formação de colegas e clientes é o melhor antídoto para as más condições que enfrentamos no ramo.

Fico contente em saber que já tem colega procurando os espaços conveniados e dando uma chance para essa prática que vem revolucionando a forma como o homem contemporâneo entende o trabalho. Já ouvi por aí que, no futuro, “coworking” não será mais uma novidade, um modismo; será a regra, a lógica “natural” em que a indústria de serviços se organizará. Se essa aposta vingará, só vivendo para saber, mas nada nos impede de já torná-la uma realidade.

About the author
carol1miniCarolina Walliter é tradutora e intérprete no par inglês/português formada pelo Brasillis Idiomas; filiada à ABRATES, ao SINTRA e à IAPTI. Ativa no mercado da tradução desde 2010, atua principalmente nas áreas de comunicações corporativas, marketing, turismo e tecnologia da informação. Em 2013, começou a estudar o fenômeno do coworking informalmente, na mesma época em que partiu para sua primeira aventura como nômade digital em Buenos Aires. Relatou toda a experiência no blog Pronoia Tradutória, espaço que idealizou para refletir sobre o cotidiano do tradutor contemporâneo e seus desafios práticos. Além de traduzir e interpretar, também escreve para a Revista Capitolina e para a Traduzine.